Banner com mulher de braços cruzados olhando para homem que está ao seu lado e em sua camiseta está escrito mais amor por favor

Xô embuste: 4 dicas para identificar um esquerdomacho 

Eles estão em todos os lugares. Ocupam uma cadeira do seu curso de faculdade, dividem o seu ambiente de trabalho, frequentam as mesmas festas que você curte e até estão nas nas ruas, reivindicando os seus direitos.

Já sabe de quem estamos falando? Calma, vamos te dar uma ajudinha: Mulheres podem e devem usar o que quiserem, menos a minha. Ah, calma moça, nem todo homem é assim. Manda foto de agora. Desculpa por ser homem. Alguma dessas frases te soa familiar?

Aposto que sim! Tá sentindo esse cheiro? É cheiro de embustezinho, manas, corram que é cilada. Mas, fiquem tranquilas que como não perdemos por nada um momento propício para desconstrução, hoje o nosso post é sobre eles: esquerdomachos, do que vivem, do que se alimentam, como se reproduzem, só aqui no blog Dona Coelha.

Afinal, quem são os esquerdomachos?

A encarnação de Karl Marx? Não, amiga, o próprio alecrim do pântano. Os esquerdomachos são aqueles indivíduos que se acham super desconstruídos, utilizam-se das pautas feministas para se aproximarem das mulheres, parecem extremamente livres de preconceitos e super abertos ao diálogo pacífico sobre pautas sociais vistas como um tabu.

Aparentemente uma pessoa incrível. Quem não gostaria de ter uma pessoa dessa por perto, seja no ciclo de amizade ou até mesmo para um relacionamento mais caliente? Tudo perfeito e maravilhoso demais para ser verdade, basta um diálogo mais profundo com o ser de luz para você descobrir, que, na verdade, a desconstrução é uma farsa.

Mas é importante ter em mente que não é fácil a percepção de que a aparente versão masculina da Simone de Beauvoir é, na verdade, um esquerdomacho, visto que não se dá em uma primeira impressão. Isso porque os caras são muito bem articulados e utilizam do artifício de uma boa retórica. Para construir argumentos sólidos? Não, minha gente, para se aproximar das mulheres.

4 sinais de que o príncipe encantado é um alecrim do pântano

Na verdade, a identificação de um esquerdomacho é algo muito sutil. É preciso se atentar aos detalhes e acreditar na sua intuição. Mas, com as nossas dicas, podemos refinar ainda mais a sua percepção para essa detecção.

1. Rei dos fracos e oprimidos

Em linhas gerais, esquerdomachos tendem a utilizar seus ideais de progresso para atrair o maior número de mulheres possível. Seja nas redes sociais ou “ao vivo e a cores”, o discurso ancorado em bases esquerdistas, na verdade, enverniza um machismo disfarçado de intelectualismo.

Banner com fundo roxo e imã atraindo escrita falando como identificar um esquerdomacho

A moldes do Iluminismo francês, os seres de luz brandam por onde passam valores de Igualdade, Liberdade e Fraternidade, mas atrás das palavras articuladas e dos floreios estilísticos de uma oratória atrativa, mas não menos que abusiva, escondem os seus verdadeiros princípios soberbos e nada igualitários.

É aquela coisa, amiga, já dizia George Orwell em A revolução dos bichos: “Alguns animais são iguais, mas alguns são mais iguais que outros”.

Adicione ainda o fato do alecrim do pântano utilizar as pautas do próprio feminismo para atrair mulheres, mas claro, são incapazes de sair da zona de conforto de seus próprios privilégios.

Dizem em alto e bom tom que são pró aborto, que lugar de mulher é aonde ela quiser e se mostram solidários com a dor do feminicídio, do abuso sexual e mental de mulheres, mas na prática, sentados nas bases do patriarcado, nos violam dia após dia, sobretudo, intelectualmente.

E não se engane você que acha que o feminismo criou o esquerdomacho, porque as coisas não são por aí. Na verdade, os caras viram no movimento uma oportunidade de aliar o útil ao agradável.

Não à toa, o esquerdomacho ama o feminismo. Ele se entrega de corpo e alma a aprender o mínimo, o básico, o simplório, sabe? Sabe as principais pautas, principais autoras e até mesmo os principais termos. É aquele cara que “fez” o dever de casa.

De casa para o bar, munido de um aprendizado superficial, no auge da embriaguez, o esquerdomacho segura a sua mão e diz: eu te entendo, eu sinto a sua dor. Ele vai para as ruas defender o seu direito de ser livre, segura cartazes e xinga a direita, até onde o feminismo não o incomode.

2. Apoiador da liberdade sexual feminina

Ele se diz apoiador da liberdade sexual da mulher. Diz partidário de que a mulher mantenha relações sexuais com quem ela quiser e na hora que quiser. E mais, entende que uma mulher tem que explorar o seu próprio corpo e sua sexualidade, aparentemente esbanja uma grande educação sexual.

Mas tudo fica tão melhor se ele puder disfrutar da sua liberdade sexual, não é mesmo? O serzinho não dá uma bola dentro – aliás, quando namora, o esquerdomacho vive pedindo para que a companheira se dê ao respeito. Mas calma, você não entendeu, não é por ele, é por ela.

Sem falar ainda que muitos deles pedem para a namorada não passar maquiagem. Por que ela é linda de qualquer forma? Não, amiga, se fosse o caso, ele respeitaria a liberdade da companheira em escolher entre usar ou não usar, é por ele mesmo: “porque eu prefiro ao natural”. Então não use maquiagem, oras.

Por fim, adoram afirmar que as mulheres têm que aceitar o seus corpos e que precisam se amar do jeito que são, MAS (olha a adversativa), só namoram mulheres que estão dentro dos padrões sociais. É hipocrisia que fala, né?!

3. Coitado incompreendido

Se quer um teste prático e eficiente para reconhecer se o boy é um esquerdomacho, tente colocar para fora os seus sentimentos, quando se sentir inferiorizada e apagada por alguma ação ou palavra proferida por ele.

Certamente, o que se seguirá são cenas fortes, então, já se prepara. Ele vai ficar p* da vida e invalidará todos os seus argumentos. Você tentará falar, mas ele não deixará, discursando de forma arrogante e te interrompendo a cada minuto, o famoso manterrupting.

Se perceber que você está firme em suas convicções e sentimentos, mesmo que no fundo reconheça para si mesmo que está errado, tentará inverter o discurso de forma favorável. A ele, claro. No limite, sairá nervosinho, socando paredes, para ao fim chorar copiosamente como um bebê, porque não tem culhão para estar na presença de uma mulher forte e empoderada.

Se romperem a amizade ou envolvimento amoroso, falará para os amigos em comum que a culpa do término é toda sua e que você não consegue acompanhá-lo na vida. Afinal, ele é um ser avançadíssimo, repleto de uma inteligência invejável, o escolhido por Deus.

Aliás, tome cuidado com a sua própria sanidade mental, porque muitos deles vão fazer com que você desafie e até duvide de si mesma. Poxa, o coitadinho só estava brincando; é você que leva tudo a sério; não surta, não. Tá sentindo esse cheirinho? Porque eu estou: cheiro de abuso psicológico – gaslighting.

4. Você pode saber muito, mas o esquerdomacho sabe mais

E eis que você é graduada, tem mestrado, está finalizando o doutorado, a própria Mônica do Legião Urbana, mas o Eduardo é quem sabe das coisas. Inclusive, se bobear, sabe mais da sua área do que você mesma.

A toda conversa mais profunda que exige um certo grau de intelectualidade, o esquerdomacho estará lá pronto para te ensinar alguma coisa em uma série de mansplaining, isso mesmo, com explicações óbvias sobre algo que você já sabe.

Ele sente que a sua intelectualidade é uma ameaça e no fundo sabe que você tem propriedade para falar de diversos assuntos bem mais do que ele. Mas um esquerdomacho nunca, jamais, never, reconhecerá que está errado na sua frente.

É mais fácil tentar desarticular todo o seu discurso e raciocínio lógico em uma verborragia frenética do que reconhecer e admirar o poço de sabedoria que você é amiga. E aí você faz o quê? Pega o diploma e esfrega na cara dele? Não, você se levanta da mesa, pleníssima, e – pernas para que te quero – corre pra longe!

Banner com fundo rosa e escrita em azul e branco dizend o que é manterrupting, gaslighting e mansplaining

As maiores pérolas que você pode ouvir dos esquerdomachos

Agora que você já sabe os principais comportamentos e perfil de um esquerdomacho, não poderíamos deixar de trazer algumas máximas desse grupo social seleto, pouco compreendido pela sociedade. Mas, senta, porque é cada uma…

  • Eu não sou homofóbio, tenho até amigos que são…
  • Você não sabe o que está falando // Você não entende nada
  • Minha ex é louca
  • Desculpa por ser homem (clássica)
  • Vamos fazer um menáge? Mas só se for eu, você e outra mulher
  • Eu amo o corpo feminino (claro, o corpo padrão: magro, depilado e branco)
  • Esperava mais de você, pensei que fosse uma mulher mais madura
  • Você já leu essa escritora feminista? Não? Pois devia!
  • Manda foto de agora
  • Amo mulheres que são livres, saca?!

Pois muito do que bem, essas são as maiores pérolas que você pode ouvir dos esquerdomachos, mas nada (grave isso), nada substitui a emocionante história de como eles se descobriram machistas. Parece até uma novela mexicana, cheia de reviravoltas e surpresas. Claro, vai virar um monólogo e você não poderá comentar, então, só sorria e acene e fuja dali na primeira oportunidade que tiver.

Gostou do post? Aliás, tem algum sinal ou pergunta que você já ouviu de um esquerdomacho que não elencamos aqui? Comente aqui embaixo e ajude as amigas a identificar o alecrim do pântano, além de ser de um serviço público o seu comentário expressa sororidade.

Até a próxima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Coletamos dados para melhorar o desempenho e segurança do site, além de personalizar conteúdo para você, confira nossa Política de Privacidade.