mulher de cabelos cacheados triste

Libido baixa: o que causa e como tratar a queda em mulheres cis!

Você já ouviu falar em libido baixa? Esse é um problema que atinge muitas pessoas, sejam do sexo feminino ou masculino, e que pode afetar muito a qualidade de vida sexual e a saúde de quem lida com essa disfunção.

Como as mulheres cisgênero são um dos públicos mais afetados por isso, hoje, nosso post é para elas e qualquer outra pessoa que conte com os sistemas genitais e hormonais chamados de femininos.

Antes de continuarmos, vale dizer que nem sempre a falta de vontade de fazer sexo está relacionada à baixa libido ou outra disfunção, mas diversos outros fatores externos podem deixar uma pessoa fora do clima para a transa.

Então, sem mais delongas, vamos te ajudar a entender a queda de desejo sexual que pode estar te atormentando e como lidar com ela. Vamos lá?!

Como a libido funciona no organismo? O bichinho do desejo

Para que você entenda a fundo esse tema, vale à pena dar uma olhadinha no nosso post sobre o que é libido. Lá nós explicamos o que é esse “bichinho do desejo” de forma bem aprofundada.

Mas, por hora, convém dizer que esse nome diferente é o que usamos para definir aquilo que nos instiga e dispõe à busca de satisfação e prazer – aquilo que movimenta e acende o nosso desejo sexual.

Ela está diretamente relacionada aos hormônios sexuais que temos no nosso corpo – eles são as verdadeiras razões da sua libido –, tanto em indivíduos do sexo masculino como feminino. Nesse sentido, todos os fatores que podem afetar os nossos hormônios acabam influenciando num aumento ou numa diminuição da libido, chegando até à excitação feminina.

Mas não se desespere só porque você não anda muito a fim de uma relação sexual, pois não existe um certo e um errado na questão do desejo – nada disso de libido ideal. Você precisa se conhecer e entender o seu corpo e a sua própria disposição sexual e libido para entender quando algo está errado, afinal, cada pessoa é única.

Possíveis causas da queda da libido no sexo feminino

Agora que você entende melhor como funciona o bichinho do desejo, vamos entender quais podem ser os motivos da queda do impulso sexual e como elas podem afetar a sua saúde e qualidade de vida como um todo.

Transtorno do Desejo Sexual Hipoativo (TDSH)

O Transtorno do Desejo Sexual Hipoativo é um dos diagnósticos relacionados à libido baixa. O TDSH trata-se de uma deficiência ou ausência de desejo por práticas sexuais ou fantasias sexuais, sendo que essas práticas causam sofrimento e dificuldade à pessoa em níveis interpessoais.

Esse é um transtorno comum, mas não tão simples de identificar, inclusive as suas causas são difíceis de definir. Muitos pessoas que o têm relatam que tinham um desejo regular e, do nada, esse apetite desaparece, independente de com quem estejam ou do momento.

Quem vai dizer se você passa por isso ou não é apenas um médico, como seu ou sua ginecologista. Por meio de questionários e outros testes, eles conseguem identificar a verdadeira causa do problema e, se for TDSH, não há porque se envergonhar ou se preocupar, também é normal – 10% das mulheres cis na pré-menopausa passam por isso.

Ovulação: entenda seu ciclo

Outro fator que pode interferir na queda da libido é o período em que você está no ciclo menstrual. Na época da ovulação, geralmente na segunda semana após a última menstruação, os hormônios estão em alta (especialmente o estrogênio) e o desejo tende a ser maior do que o usual.

Por outro lado, em outros momentos do ciclo, a libido pode acabar indo lá embaixo, como durante ou logo após a menstruação – além dos hormônios, muitas pessoas sofrem com a pressão social de que a menstruação é algo sujo e reprimem qualquer desejo por vergonha e o emocional tem tudo a ver com o desejo.

Ressaltamos que isso não é uma regra, ok? Há várias pessoas que também sentem desejo sexual durante a menstruação. Se você é uma delas, descubra se pode ou não transar menstruada aqui no nosso blog!

ciclo da ovulação

Anticoncepcional e outros medicamentos

Quando o assunto é sexo, boa parte das mulheres cisgênero recorrem a métodos contraceptivos hormonais, como pílulas, adesivos, anéis ou injeções. A maioria desses itens conta com estrogênio e progesterona, hormônios que regulam o ciclo e inibem a ovulação.

Com isso, você não passa pelos picos de estrogênio que ocorrem durante o período de ovulação, daí, não rola aquele tesão todo que acontece no chamado período fértil. Ainda, com a ingestão da pílula, os níveis de testosterona produzidos pelo seu organismo diminuem consideravelmente, o que também pode contribuir para a queda da libido.

Esse é mais um dos motivos que comprovam a essencialidade de contar com o acompanhamento médico para esses tratamentos e a escolha do método contraceptivo ideal para você e, se for a pílula, a melhor para o seu organismo.

Mas não são só esses medicamentos que afetam a libido. Medicações que afetam os hormônios ou os níveis de neurotransmissores também mexem com o desejo. Os antidepressivos são um exemplo disso, pois podem afetar suas capacidades de ter orgasmos.

Distúrbios hormonais

Já deu para entender que a razão da sua libido são os hormônios, não é? Então, aquilo que os afeta, fazendo com que seus níveis subam e desçam, pode afetar a sua disposição sexual.

Nesse sentido, condições subjacentes hormonais, como as que afetam a tireóide, ou a Síndrome de Ovários Policísticos, ou a menopausa, podem diminuir a libido das mulheres cisgênero.

Estresse e impactos emocionais

Lembra que a gente falou que nossas emoções estão relacionadas à libido? E não são só elas, o aspecto psicológico também é bem importante quando o assunto é o desejo sexual.

Quando passamos por grandes mudanças de rotina que afetam nosso lado emotivo, como a perda de alguém especial, ou casos de distúrbios como ansiedade e depressão, nosso apetite sexual acaba sendo inibido.

Outros aspectos ainda mais comuns e que passam despercebidos também afetam nossa saúde mental e, como consequência, sexual. A baixa-autoestima pode ser um fator de libido baixa quando se mantém rotineira, pois o indivíduo não se vê como um ser sexual.

É por isso que o acompanhamento com profissionais de saúde mental, como psicólogos e psiquiatras, é essencial, afinal, temos que cuidar da mente da mesma forma que cuidamos do corpo, pois está tudo interligado.

Conhecendo a sua mente e o seu corpo, fica muito mais fácil de entender onde se inicia um problema, o que ele afeta e como resolvê-lo – isso para a queda da libido ou qualquer outra questão, viu?!

estresse e impactos podem afetar a libido

Como tratar a libido baixa? Dona Coelha explica!

Agora que você já sabe os possíveis fatores que causam a queda na libido, é hora de entender como lidar com essa situação sem neura. Vamos conhecer algumas possibilidades?!

Com especialistas

Quando você não conhece bem o seu corpo e seu desejo sexual, contar com a ajuda de especialistas pode evitar que você confunda um simples desinteresse com uma queda na libido.

Além disso, quando a queda é notada, como mostramos, é essencial identificar as suas causas para ter o tratamento adequado. Então, os primeiros especialistas a consultar seriam o/a ginecologista e psicólogo(a) de sua confiança, para entender se é uma questão biológica ou psicoafetiva – terapêutas sexuais também são bem-vindes.

Ah e mesmo que o início do problema seja algo mais biológico, contar com o acompanhamento psicológico ajuda a lidar com a situação dentro dos seus relacionamentos sexuais e afetivos.

Em alguns casos de TDSH, os especialistas podem receitar algum medicamento para auxiliar no tratamento do distúrbio. Já existem algumas opções no mercado, mas todas elas devem ser indicadas por médicos, pois têm os seus efeitos colaterais.

A questão tempo também é um fato importante na hora de consultar seus especialistas. Afinal, se o problema é recorrente, persistente ou se não melhora com os tratamentos, somente os especialistas são capazes de estudar e tratá-lo mais a fundo.

O que fazer em casa

Mas nada impede que você tente se ajudar com algumas práticas em casa. Testar novos estímulos e explorar seu corpo e suas sensações pode ser uma ótima forma de dar um up do tesão.

Explorar o seu corpo pode te ajudar a entender melhor ou redescobrir coisas, pontos e toques que te excitem, além de ajudar na autoestima e no autocuidado. Você pode fazer isso sozinha ou com outra pessoa, caso se sinta confortável – se isso não ocorrer, não precisa se forçar.

Outra ideia é estimular a sua mente e imaginação de formas inovadoras, como com histórias e quadrinhos eróticos. Ressaltamos que essas indicações não são tratamentos para libido baixa em si, mas práticas que podem auxiliar a instigar o desejo.

Lembre-se: nessa situação, o ideal é que você esteja se sentindo bem, seja com a libido baixa ou alta. Não existe um nível de libido ideal. Você deve procurar entender qual é a sua situação e como você se sente a respeito disso. O tratamento deve ser feito para te devolver qualidade de vida e não porque você se sente na obrigação de ser “transante” – até porque essa obrigação não existe.

E aí, gostou do conteúdo de hoje? Para mais assuntos como esse, continue lendo nosso blog e acompanhe a Dona Coelha nas redes sociais! Nos vemos no próximo post e se cuidem!

Receba nossos emails

CADASTRAR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seu cadastro garante que será a primeira(o) a receber as ofertas de Black Friday.

Receba nossos emails

CADASTRAR
Descontos de Valentine's Day
Seu cadastro garante que será a primeira(o) a receber as ofertas do Valentine's Day.
Coletamos dados para melhorar o desempenho e segurança do site, além de personalizar conteúdo para você, confira nossa Política de Privacidade.