Vida a dois: desafios, dicas e conselhos para casal

Natali gutierrez e renan de paula no sofá falando sobre vida a dois

A vida a dois é um verdadeiro desafio. Viver sozinhos ou com as nossas famílias já não é tão fácil, imagine juntar com outra pessoa que tem hábitos e valores diferentes dos seus… Não tem como ser fácil, mas nem tudo que é difícil é ruim na verdade. Apesar de todos os desafios, a vida em casal tem tudo pra ser uma experiência maravilhosa.

Eu e o Renan estamos juntos desde 2010 e, em todos esses anos, aprendemos muitas coisas essenciais pra manter o relacionamento saudável e superar os momentos ruins. Por isso, hoje, eu vou te falar sobre os prazeres e desprazeres da vida a dois e dar dicas pra quem está entrando nessa nossa aventura ou precisa melhorar a relação com a parceria. Vamos lá?

Afinal, o que é uma vida a dois?

A vida a dois é o compartilhamento do dia a dia com a pessoa com quem você se relaciona afetivamente. Esse termo é super conhecido no país justamente por termos uma cultura monogâmica, ou seja, quando cada pessoa se relaciona afetivamente (e até oficialmente) com apenas uma.

Mas esse dia a dia compartilhado não exige, de fato, um casamento no papel ou numa igreja. Desde quando se inicia um relacionamento, ela já começa. Todos os relacionamentos passam por desafios, pois unem pessoas distintas em momentos únicos e cheios de sentimento. Porém, quando essas pessoas passam a dividir o mesmo teto, tudo isso se intensifica.

Tem quem prefere esperar o casamento para encontrar seu lar, quem gosta de morar junto assim que conhece e quem dispensa o casório e só junta as trouxinhas, sabe? Seja qual for o jeito em que você e sua parceria uniram as escovas de dentes, vocês estarão vivendo uma vida a dois.

Como é viver uma vida a dois?

A partir do momento em que você passa a morar com sua parceria, é preciso se reinventar. Acontece que tanto você quanto a outra pessoa têm hábitos, rotinas e comportamentos individuais que aprenderam ao longo de toda a vida e, aí, quando moram juntas, isso tudo é colocado em jogo pra que vocês encontrem o ritmo de vocês.

Por exemplo, pode ser que você tenha o costume de fazer as refeições todas à mesa, enquanto sua parceria adore comer em frente à TV, no sofá mesmo. Essa pequena diferença já pode impactar o dia a dia de vocês, seja para melhor ou para pior.

Além de ter que encontrar o equilíbrio na rotina a dois, o casal precisa conciliar suas vidas e compromissos individuais com os momentos em conjunto. Afinal, apesar de serem um casal, cada pessoa precisa manter sua individualidade no relacionamento e faz coisas sozinhas, como trabalho e hobbies.

Junto a tudo isso, acho indispensável lembrar dos momentos de romance que os relacionamentos pedem e que podem ser esquecidos quando a gente fica junto com a parceria por tanto tempo. Então, viver a dois é como se redescobrir dentro de casa.

Principais desafios da vida a dois

Não dá pra dizer que existe um número X de desafios na vida de um casal, afinal, cada relacionamento é único. Por isso, eu vou te apresentar os desafios que mais me marcaram em todos esses anos vivendo a dois:

  • Menos tempo para você mesmo

Quando a gente passa a morar com outra pessoa, abrimos mão de muitos momentos com nós mesmos, seja na hora de comer, quando chegamos do trabalho ou até mesmo na hora de dormir. Mesmo que seja muito bom estar junto de quem a gente gosta e dividir os momentos únicos, a gente ainda precisa se curtir e ter momentos de prazer conosco – isso vai de um banho relaxante e assistir à nossa série favorita a até, por que não, se masturbar, um super ato de autocuidado!

  • Mais conflitos de emoções

Lidar com as próprias emoções já não é fácil, imagine ter que conviver com todas as emoções de outra pessoa. Afinal, se vocês moram juntos e brigam, por exemplo, não tem pra onde ir embora, porque vocês já estão em casa. Aí, vocês vão ter que aprender a lidar com os próprios sentimentos e entender como respeitar e lidar com os sentimentos da parceria.

As vontades diferentes podem aparecer em todas as situações da vida a dois: na hora de ir ao mercado, pra decidir quando vão limpar a casa, o que vão fazer no final de semana e por aí vai. Ter que equilibrar quem cede e quem decide cada escolha é super desafiador, porque isso envolve abrir mão de desejos e estar aberto pra coisas novas.

Principais vantagens da vida a dois

Mas não se preocupe, a vida a dois também tem muitas coisas boas, afinal, geralmente, estamos vivendo essa experiência com alguém de quem gostamos, por quem temos carinho e com quem queremos dividir a vida MESMO. De todos os prazeres que eu já experimentei em mais de 10 anos de relacionamento, quero destacar estes:

  • Ter alguém pra dividir as dores e as alegrias

Quando você está num relacionamento com alguém que é sua parceira mesmo, além de um par amoroso, você tem uma amizade incrível – pode até parecer clichê, mas é verdade. E isso significa que você tem alguém em quem pode confiar pra dividir todos os momentos ruins e felizes, o que os torna mais especiais e leves.

  • Compartilhar e realizar seus sonhos

Além dos sentimentos, sua parceria é a pessoa pra quem você vai contar seus maiores sonhos e com quem vai criar novas metas. Quando dividimos os sonhos com outra pessoa, eles se tornam mais visíveis, mais palpáveis, assim, fica mais fácil tirá-los da imaginação.

  • Expandir a visão de mundo

Se você tem outra pessoa no seu dia a dia, que não cresceu com você e não conhece a mesma realidade que você, é a chance de começar a olhar o mundo de outro ponto de vista. É possível conhecer outras visões e valores sociais, culturais, econômicos e por aí vai. Ou seja, a vida a dois é uma porta para expandir a nossa mentalidade e experimentar a vida de formas diferentes.

  • Experimentar mais a sua sexualidade

O sexo e a sexualidade são pontos fortes em muitos relacionamentos e, quando estamos com outra pessoa, conseguimos testar coisas novas nesse âmbito. Desde práticas, posições até toys, a forma de se relacionar com o outro e consigo mesma pode ser aprimorada com a companhia de alguém que nos valoriza.

Por que a vida a dois é tão difícil?

Independentemente das vantagens e dos desafios, a vida a dois é difícil, isso é um fato. Isso acontece porque, como comentei, essa união não é só entre duas pessoas, mas entre duas vidas inteiras que foram diferentes até então: diferentes experiências, perdas, oportunidades, privilégios, amores, práticas sexuais e por aí vai.

Assim, é preciso saber que, ao juntar as escovas de dentes, elas não se tornam uma só como muita gente costuma achar e dizer por aí. Num relacionamento monogâmico, continuam existindo duas pessoas diferentes e elas precisam conviver em harmonia pro lar não virar uma “zona de guerra”.

Ou seja, morar junto com a sua parceria é difícil porque você precisa aprender a conciliar sua vida com a do outro 24 horas por dia, em todos os detalhes mais simples da rotina. Além disso, é preciso saber impor os seus próprios limites e exigir o respeito da sua individualidade, sabendo o que dá ou não pra abrir mão – não tem como tudo isso ser fácil, né?

O que é necessário para iniciar uma vida a dois?

Quem já mora junto com a parceria, provavelmente, se identificou  muito com as coisas que eu trouxe até aqui. Afinal, mesmo cada relacionamento sendo único, o dia a da de todo o casal segue padrões da relação humana. Porém, pode ser que você ainda esteja dando esse passo, planejando morar junto com seu amor. Se é o seu caso, tenho algumas dicas importantes pra te ajudar a ter uma experiência mais gostosa:

1. Tenham um lugar só pra vocês

Sabe aquele ditado “quem casa quer casa”? Ele é real! Talvez isso não esteja no alcance de vocês agora e o desejo de dividir cada dia seja maior do que a espera. Mesmo que, de início, vocês tenham que morar com a família, tentem fazer com que isso não se prolongue tanto.

A vida dois é cheia de intimidades e é o momento de vocês criarem um novo organismo só de vocês, a família de vocês. Se já é difícil fazer isso a dois, imagine com mais pessoas envolvidas. Estar com a família pode gerar muitos problemas tanto para o relacionamento entre os parceiros quanto com os familiares.

Além disso, é no lar de vocês que poderão ficar realmente à vontade pra bagunçar, arrumar e se curtir de verdade. Por exemplo, uma das maravilhas de ter o seu cantinho é poder andar pelada por ele (sim, é verdade) e, com a sua parceria, não tem problema fazer isso, você se sente à vontade pra ser você!

2. Dividam as tarefas domésticas

Ninguém ajuda ninguém: tarefa doméstica é responsabilidade de todos que moram na casa. Se você suja e bagunça, é sua responsabilidade limpar e organizar. Encontrem uma rotina de cuidados com a casa que combine com o restante das tarefas de cada um, como trabalho e estudos.

Vocês podem entender o que cabe a cada um para que a divisão seja equivalente em nível de trabalho. Além disso, discutam sobre o melhor momento de fazer as tarefas mais pesadas, sabe aquela limpeza de fim de semana? Isso minimiza a frustração de você querer limpar no sábado de manhã e sua parceria só pensar nisso no domingo à tarde, por exemplo.

Manter a casa arrumada e, mais, cuidar dela junto com a sua parceria ajuda a tornar o espaço mais especial e mais com a carinha de vocês. Isso faz com que sua casa se torne um lar e um espaço seguro, aconchegante e íntimo.

3. Coloquem limites antes de mudar

Tem muita coisa sobre o outro e sobre nós mesmos que só descobrimos quando moramos junto, mas há muitas outras que já sabemos antes e podemos estabelecer limites. Pra falar de sexo, por exemplo, pode ser que você não curta que te acordem no meio da noite pra transar (e tá tudo bem). Como a sua parceria talvez não tenha tido esse momento com você ainda, pode ser que tente fazer isso, por achar que você possa gostar, e gere conflito.

Se você já sabe que não gosta disso e é algo que não vê a necessidade de mudar por não prejudicar o relacionamento, fale pra outra pessoa antes de morarem juntas. Assim, vocês vão sabendo alguns limites individuais que precisam ser respeitados na relação a dois.

4. Estabeleçam momentos do casal

Pode parecer bobeira falar isso, mas determinar momentos da rotina em que vocês estarão dedicados um ao outro é fundamental pra manter o relacionamento saudável. Com a correria do dia a dia, tendemos a perder esses momentos de forma casual, porque estamos cansados e vamos sempre deixando pra depois.

Eu e o Renan, por exemplo, moramos e trabalhamos juntos, ou seja, além de conciliar a vida de casal, precisamos conciliar a vida profissional e saber separar as coisas. Passamos muito tempo juntos falando de trabalho e, chegando em casa, ainda vemos um ao outro. Ter momentos de pausa reservados a nós dois, pra se curtir e se conhecer mais, é indispensável pra que a nossa relação se mantenha afetuosa e cuidadosa e não se torne um fardo ou se limite ao trabalho – vai por mim, dá super certo!

Esse momento pode ser pra curtir um filme juntinhos no sofá, preparar uma refeição gostosa, sair pra um passeio no domingo ou, quem sabe, explorar a sexualidade e testar novas posições sexuais. Não tem regra, a ideia é vocês criarem momentos em que fiquem focados um no outro e no vínculo de vocês.

5. Não guardem mágoas

Lembra que eu expliquei por que é difícil a vida a dois? Conciliar duas pessoas diferentes todo dia. Mesmo com todos os esforços pra respeitar os limites do outro, expor os seus e buscar conciliações, vocês vão se magoar. Num relacionamento saudável, isso não acontece de forma proposital e a forma como lidam com as mágoas faz muita diferença.

Se você ficar guardando algo que está te machucando e não falar pra sua parceria, irá alimentar sentimentos como raiva, tristeza, decepção e por aí vai. Além de fazer mal pra você, isso tira a chance da pessoa corrigir o que fez e te afetou, pois, muitas vezes, ela pode não saber o que fez.

Então, quando algo te magoar, não exite em expor à sua parceria, mas sem brigar ou tentar impor seu ponto de vista, apenas mostre como se sentiu, o que queria que fosse diferente e como aquilo te afetou. Uma conversa sincera e respeitosa é a melhor solução nesses momentos – e pra isso, é preciso saber ouvir também.

5 Dicas para a vida a dois

Todas as dicas que eu dei pra quem está indo morar junto devem ser levadas para todo o relacionamento. Mas, agora, vou dar outras dicas que poderão ajudar quem já está vivendo com a parceria e tendo dificuldades – nenhuma delas é regra, mas tenho certeza que irão ajudar a sua relação como ajudam a minha.

1. A comunicação é muito importante

Tudo pode se resolver com a comunicação. Quem já acompanha o blog sabe que essa é uma premissa em que realmente acreditamos por aqui. Por meio de uma boa conversa, é possível alinhar expectativas, definir limites, expor sentimentos, resolver problemas e tudo o mais que acontece em uma relação.

Ela não é importante só quando as coisas estão indo mal, mas é essencial pra fazer as coisas darem certo. Conversar antes do problema acontecer pode ser a chave para que ele nunca exista.

Lembre-se de que conversar não é só falar, falar e falar, mas ouvir também. A escuta é essencial pra poder chegar em pontos em comum para o casal. Quando sua parceria falar, ouça de verdade, preste atenção nos pontos importantes, sintetize com ela o que você entendeu pra ter certeza que captou o que ela queria dizer. Esses pequenos cuidados vão fazer toda a diferença pra manter a harmonia entre vocês.

2. A confiança é um pilar do relacionamento

Não existe relação sem confiança, seja amorosa ou não. Se vocês estabeleceram uma relação monogâmica, em que só ficarão um com o outro, isso precisa ser respeitado dos dois lados. Mas não cabe a você ficar “checando” se a sua parceria está respeitando isso ou não, como olhar o celular, invadir as redes sociais e limitar o convívio dela com outras pessoas – tudo isso é muito abusivo e gera relacionamentos tóxicos.

Com uma comunicação clara e expectativas alinhadas, é muito mais fácil confiar na sua parceria e saber se ela seria capaz de trair a sua confiança ou não. Onde não existe confiança, fica muito difícil existir respeito, amor e cuidado. Caso vocês passem por algo que abale esse sentimento, é muito importante esclarecer os fatos e entender se é possível reestabelecer a confiança ou não.

  • Veja também: Traição: guia completo para responder todas as suas dúvidas!

3. O afeto e o amor precisam ser mostrados

Muitas pessoas acham que só de morar junto, falar uma vez, fica claro pra outra que o amor existe. Numa relação a dois em que o contato é muito contínuo e os problemas do dia a dia são muito presentes na vida do casal, demostrar afeto se torna muito mais importante.

Existem muitas formas de fazer isso, seja com palavras, com presentes, com uma mimo, em um momento especial ou um toque de carinho. O mais importante é prestar atenção em como a sua parceria se sente amada, qual dessas coisas a fazem perceber o seu amor por ela e fazer mais disso. Já ouviu falar nas Linguagens do Amor? Essa teoria de Gary Chapman diz que existem 5 linguagens em que as pessoas se sentem amadas: palavras de afirmação, toque físico, tempo de qualidade, atos de serviço e presentes.

O que acontece é que, geralmente, a gente demonstra afeto da forma que nos sentimos amados e nem sempre essa é a forma que nossa parceria se sente amada. Daí pode surgir aquele sentimento de que a gente faz muito pelo outro e ele não reconhece – mas será que estamos fazendo por ele ou para nós? Lembre-se de que você está se relacionando com outra pessoa e não consigo mesmo!

4. Não romantize e idealize a relação

Já ouviu aquela música “De quem é a culpa”, eternizada pela rainha Marília Mendonça? Nela, a cantora fala “Me apaixonei pelo que inventei de você” e isso faz sentido em muitos relacionamentos – não é à toa que essa canção é um grande sucesso nacional.

Muitas pessoas têm a sua ideia de relação e parceria perfeitas, de como seria o amor da vida. Acontece que, geralmente, essas idealizações são irreais, não condizem com as pessoas reais e o problema é quando começamos a confundir essa expectativa com a realidade.

Você se relaciona com a pessoa pensando sempre em como ela poderia agir, como ela poderia mostrar seu amor e tudo mais, esquecendo de viver a realidade. Além de colocar expectativas sobre a sua parceria e seu relacionamento que podem frustrá-los, você pode se enganar com uma coisa que não existe e prolongar uma relação que, na verdade, não tem como dar certo.

5. Não deixe as “primeiras vezes” acabarem

Um medo muito comum de todo casal é que o relacionamento caia na rotina com a vida a dois e isso acontece muito. Sempre mais do mesmo, nada novo, a falta da mudança pode gerar comodismo e, pior, tédio – é normal! Por isso, buscar novidades pra apimentar a relação é muito importante pra manter a chama acesa.

Pense em quantas coisas vocês podem fazer juntos pela primeira vez: a primeira vez viajando juntos, conhecendo um novo país, testando uma nova receita, indo a um restaurante e por aí vai. Além de ser uma excelente forma de tirar sonhos do papel, experimentar coisas novas com a sua parceria é um jeito muito gostoso e divertido de aumentar a intimidade entre vocês.

E isso vai muito bem entre quatros paredes, sabia? Que tal testarem uma posição sexual nova? Um fetiche diferente pode deixar vocês super excitados e por que não levar sex toys e cosméticos íntimos pra relação? Quando o assunto é sexo, é possível inovar de inúmeras maneiras!

Espero que este conteúdo te ajude a viver o melhor da vida a dois e a superar os piores desafios dela. Ah, e aqui temos um conteúdo completo sobre como lidar com ciúmes, ele pode te interessar! Até a próxima!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

usamos cookies melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.