Como ter desejo na menopausa? Confira 5 dicas eficientes

Mulher apontando com as duas mãos para cima em um fundo com padronagem triangular

Se você está perto dos 50 anos ou já se deparou com a menopausa, sabe que as oscilações de hormônios nessa fase são bastante recorrentes. Uma das maiores preocupações acaba sendo sobre o prazer durante o período, se ele vai ser afetado e o que fazer se a libido baixar.

Hoje eu estou aqui para dar algumas dicas de como ter desejo na menopausa. Afinal de contas, essa fase não precisa – e não deve – ser sinônimo de falta de prazer. O meu foco é desconstruir esse conceito ultrapassado e, claro, te sugerir ações pra levantar sua autoestima e desejo sexual em meio a menopausa.

Vale lembrar que a sexualidade não pode ser reduzida apenas à relação sexual, na visão reprodutiva, mas também se manifesta na corporeidade, isto é, envolve todos os sentidos, compreende um conjunto de conhecimentos, emoções e sentimentos [2]. Portanto, é importantíssimo levar todos esses fatores em consideração.

Quer saber mais? Então, acompanhe a leitura comigo e fique por dentro dos detalhes que realmente vão fazer a diferença!

Afinal, como aumentar a libido no período de menopausa?

Profissionais da área ginecológica afirmam que a diminuição da libido ou do interesse sexual durante a menopausa pode acontecer devido à diminuição dos níveis hormonais, ao estresse psicossocial e, ainda, às características relacionadas à personalidade ou, até mesmo, ao relacionamento do casal [1].

Esses fatores só reforçam o fato de que as variações durante a menopausa são completamente normais e podem, sim, acontecer. Entretanto, não devem ser foco de medo e, muito menos, pressão psicossocial. Por ser um acontecimento natural, precisa ser tratado como tal. A desconstrução precisa ser o ponto de partida pra encarar esse momento da melhor maneira possível.

Que tal ficar por dentro de algumas dicas? Veja logo abaixo:

1. Procure um especialista para um tratamento personalizado

Antes de qualquer ação, é essencial dispor de um bom acompanhamento ginecológico. Esses especialistas irão fazer uma avaliação dos seus sintomas, o exame físico e solicitar os exames necessários pra que seja possível ter a recomendação de um tratamento personalizado. A prática de exercícios físicos em conjunto com uma alimentação saudável é uma das indicações mais comuns e essenciais, sabia?

A reposição hormonal também pode ser necessária e deve ser feita por uma médica de confiança. Além do mais, você precisa de alguém que entenda do assunto, mas acima de tudo, que esteja do seu lado nessa nova fase. Faça perguntas, tire dúvidas e sinta-se confortável ao conversar com a profissional.

2. Converse com a parceria e deixe-a por dentro dos seus sentimentos

Se você está em um relacionamento, mantenha o diálogo com a sua parceria. Expor seus sentimentos e sensações é muito importante pra que ambos continuem sintonizados e, de forma alguma, tenham a relação abalada devido a uma fase natural do ser humano.

As novidades a dois são bastante viáveis nessa hora. Testar novas possibilidades é um passo incrível pra apimentar a relação e, de quebra, alcançar orgasmos de outro mundo. A conquista do prazer em meio a esse momento é possível sim, além de ser super indicada.

3. Descubra zonas de prazer que antes eram deixadas de lado

É isso mesmo, viu? Nada de permanecer na “mesmice”. Sabe aquelas regiões corporais que transmitem sensações incríveis só de serem tocadas? São exatamente essas partes que necessitam de atenção, as zonas erógenas. Aliás, essa ação deveria ser feita em qualquer momento da vida sexual ativa, né?

Infográfico mostrando as zonas erógenas pelo corpo feminino

Aqui tocamos em um ponto bastante importante: o autoconhecimento. A masturbação é uma ótima maneira de conhecer áreas erógenas que vão além da vulva. Toque o seu corpo, veja como ele reage aos seus estímulos e, se desejar, fique à vontade pra pedir que sua companhia participe desse momento com você.

4. Use e abuse da criatividade entre quatro paredes

Assim como já foi dito anteriormente, a criatividade é um grande diferencial quando os hormônios estão em baixa. Colocar fantasias em prática é uma oportunidade de elevar o desejo sexual durante a menopausa. Que tal testar essa alternativa com a sua parceria? Seja a partir de roupas diferentes ou brinquedos eróticos, coloque a imaginação pra produzir cenários exóticos.

Inclusive, aqui mesmo no blog, eu já falei um pouquinho sobre esse assunto. Ao acessar o conteúdo de 5 fantasias sexuais para inovar nas relações, você vai ter ideias de tirar o fôlego!

5. Utilize lubrificantes para elevar o prazer solo ou a dois

A menopausa é acompanhada de alguns sintomas e um deles diz respeito ao ressecamento vaginal. A lubrificação natural pode ser comprometida, mas nada te impede de usar os lubrificantes, viu? Sem mencionar a possibilidade de realizar exercícios pélvicos para melhorar o prazer sexual, o pompoarismo é um exemplo – esse método permite fortalecer o tônus muscular pélvico, aumentar a percepção sensitiva e a vascularização da região.

Painel explicndo sobre a normalidade da secura vaginal

A prática de pompoar é incrivelmente eficaz pra treinar a região pélvica e pro autoconhecimento, uma grande aliada no bem-estar sexual. Tenha isso em mente e coloque em prática exercícios físicos que melhoram o desempenho e o desejo nas relações. Ah, e vale lembrar que é sempre interessante, caso você tenha acesso, ter avaliação de uma fisioterapeuta especialista em exercícios pélvicos antes de começar, ok?!

E então, conseguiu desconstruir a ideia de como ter desejo na menopausa? Aproveite todas as nossas dicas e comece por aquelas que mais se enquadram em sua personalidade. Se desejar conversar com colegas próximos sobre o assunto, vale super a pena compartilhar o conteúdo.

Por hoje é só, nos vemos em um próximo post!

Referências:

[1] BACELAR, A. Antunes. Tratamento hormonal de substituição e sexualidade na menopausa. Revista Portuguesa de Psicossomática, v. 1, n. 2, p. 121-124, 1999.

[2] SOUZA, Valdenise Nunes de; TENÓRIO, Valdenize Gomes Pereira. Fatores responsáveis pela diminuição da libido sexual da mulher na terceira idade. 2019.

Publicação revisada por:
Ginecologista tetzi de oliveira brandão

Dra. Tetzi Oliveira Brandão - CRMMG 47157
Ginecologista e Obstetra c/ espec. em Medicina Fetal e Ultrassonografia

Sou médica e ativista pelos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, por isso me especializei em Ginecologia e Obstetrícia (RQE 15419), Medicina Fetal (RQE 16793) e Ultrassonografia (RQE 20164). Falar de sexualidade, saúde sexual, intimidade, prazer e do corpo feminino sem tabus é minha paixão e meta pessoal.

Um comentário sobre “Como ter desejo na menopausa? Confira 5 dicas eficientes

  1. Amigo disse:

    O que as pessoas ainda teimam em admitir é que a libido e cérebro são inerentes! Inclusive Não impedindo a relação fluida entre homens, em que há, culturalmente, o maior pudor em mostrar que as erecoes estejam em “descompasso”, a exemplo de casal: trintão com cinquentão! Se a ejaculação depois dos 50, pode demandar curto tempo em acontecer, isso Não deixará o parceiro ou namorado na faixa dos 30 anos, “frustrado” com a performance! Já em casal hetero vem a neura – muitas vezes – da ejaculação precoce ou disfunção erétil! Não é a ejaculação que está sendo precoce, nem há disfunção, o que há é o envelhecimento precoce físico! Minha irmã fez uma cirurgia ginecologica quase total, mas nem por isso afetou a feminilidade e o afastamento do prazer vaginal, simplesmente porque a cirurgia não foi na mente!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

usamos cookies melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.