mulher contando nos dedos

Quantas vezes um casal normal faz amor: existe regra? Descubra!

Quantas vezes um casal normal faz amor? Essa é uma pergunta que passa na cabeça da maioria das pessoas que está ou já esteve em um relacionamento monogâmico, em algum momento da relação.

Afinal, existe uma regra do que é normal ou não quando falamos de sexo no relacionamento? Qual é mínimo de transa que deve acontecer por semana? E por mês? Se a gente não transa, é porque alguém está traindo? Ou acabou o amor?

Poxa, dá pra ver que esse assunto é extenso e gera várias pulgas atrás da orelha, certo? A gente sabe que vocês estão ansiosos por aí, mas, antes de irmos direto ao ponto, é preciso falarmos sobre uma coisa importante:

Casal normal: o que é? Onde habita? O que come? Descubra!

Antes de responder a essa pergunta que não se cala na sua cabecinha, precisamos entender, afinal, o que é um casal normal? Será que isso existe mesmo? Bem, podemos dizer que sim e que não! Não entendeu? Calma aí!

Quando a gente pensa em normal, podemos entender que seja aquilo que é “certo” e “aceitável”, não é? Nesse sentido, todo e qualquer casal é normal, afinal, não existe limite para o amor e para as relações interpessoais – além dos assédios e abusos obviamente.

Assim, a gente sabe que um casal é normal seja ele heterossexual, gay, lésbica, com pessoas cis ou transgênero, com duas ou mais pessoas etc.

Como, hoje, nem tudo são flores ainda, boa parte da nossa sociedade ainda não entende dessa forma o “normal” e relaciona o termo apenas àquilo que é o padrão estabelecido por ela: casal heterossexual, cisgênero e monogâmico.

Daí há quem diga que existe um casal normal, que acaba desqualificando outros formas de relação e de amor. Para nós do lado de cá, a opção certa é a primeira: casal normal é aquele que se ama e se respeita!

Dito isso, agora, podemos seguir para outra ideia importante dessa questão toda do que é normal ou não…

Toda vez que um casal transa, faz amor?

Nos filmes, séries, novelas e até mesmo no dia a dia, a gente ouve que as pessoas “fazem amor” quando se referem à transa. Mas afinal, será que transar é sempre fazer amor? E fazer amor se refere sempre ao sexo?

Gostamos de acreditar que nem um nem outro. Primeiro, é preciso entender que o sexo tem, sim, a ver com amor e paixão e que esses sentimentos podem levar à transa, mas não é só isso.

De forma bem simplificada, o que leva duas pessoas a transarem é o desejo e a excitação – o amor entra como um bônus para deixar as coisas mais especiais. Mas essas três coisas não são diretamente relacionadas.

É possível amar seu parceiro ou sua parceira e não estar afim de transar; assim como é possível sentir muito tesão e desejo por alguém sem amar essa pessoa, certo? Uma coisa não acarreta nem exclui a outra, pois há vários fatores nessa linha entre sentimento e prazer: fatores externos e internos, tempo, pessoas, libido e muito mais.

Além disso, entendemos que o amor não deve estar ligado ao sexo, pois isso exclui todas as outras formas que temos para demostrar e sentir esse sentimento tão bonito. Um carinho, uma mensagem, um meme compartilhado também podem ser considerados “fazer amor”, não acham?

Um riso compartilhado, o ombro de um amigo para chorar, uma bronca quando fazemos algo errado – tudo isso é fazer amor, na prática mesmo. Viu só: nem amor nem sexo podem ser limitados e condenados um ao outro!

Ufa! Assuntão que pode parecer óbvio para uns, mas uma super novidade para outros. Agora, sim, vamos para o ponto principal da nossa conversa de hoje!

Quantas vezes é normal um casal transar?

Nesse assunto, é comum pensar que “a grama do vizinho é mais verde”, mas sabia que aquela grama pode ser sintética? Ou que ele usa os fertilizantes certos para deixá-la sempre bonita e saudável? Pois é…

O que queremos dizer é que muitas pessoas comparam a própria relação com a dos outros quando o assunto é frequência sexual e define o que é normal ou não a partir dessas comparações, que não são nada saudáveis.

Primeiro porque cada pessoa é única, assim, cada relação também acontece de uma forma específica e singular; ou seja: é impossível e indiferente se comparar, visto que nunca dá (e nem é legal) para ser igual aos outros.

Segundo, porque você não tem como saber a verdade da vida alheia (e nem precisa). O que acontece é que o outro casal pode falar que tem a vida super ativa a fim de esconder e disfarçar uma relação mais parada.

Além disso, a frequência com que os outros transam pode ser ideal para eles e não para você, afinal, quantidade não está ligada à qualidade nesse tema, sabia? Para saber o ideal para vocês, é preciso conversar e entender as vontades e necessidades de cada um.

comparar a vida sexual

O que dizem os especialistas? Frequência e possíveis causas

Em 2015, a Universidade de Toronto, do Canadá, em 2015, publicou um estudo que mostrou que transar 1 vez na semana é o ideal para os casais. A pesquisa foi realizada com 30 mil pessoas por mais de 40 anos. Eles também concluíram que quem fazia sexo mais de uma vez na semana não era mais feliz do que os outros.

Seguindo a linha da felicidade, uma pesquisa publicada em 2015 pela Universidade Carnegie Mellon, dos Estados Unidos, mostrou que só o sexo não aumenta a felicidade.

Os americanos concluíram algo ainda mais importante: a obrigação de ter que transar mais inibiu o desejo e a satisfação sexual dos casais, assim, eles ficaram um pouco mais tristes do que mais felizes.

O Instituto Kinsey de Pesquisas em Sexo, Gênero e Reprodução também fez estudos sobre o assunto e concluiu que a idade pode influenciar na frequência sexual – não em números, necessariamente, mas como nos sentimos também.

Entre os 20 e 30 anos, a pesquisa notou a frequência média de 3 vezes na semana, enquanto entre 30 a 40, a frequência cai para cerca de 1,6 transas semanais. Essa queda, segundo a pesquisa, seria devido ao aumento de estresse e obrigações com o passar dos anos.

O periódico The Journal of Sex Research também apresentou estudos sobre o tema. Assim, entendeu-se que o casamento também tem papel importante na quantidade de sexo entre o casal. A maior parte dos casados teria relações algumas vezes no mês ou algumas vezes no ano.

Por outro lado, pesquisadores já notaram que, com a idade, as pessoas, em especial mulheres, tendem a focar mais na qualidade do sexo do que na quantidade de vezes que transam e, assim, sentem-se satisfeitas mesmo transando menos.

Essas são algumas das pesquisas realizadas até hoje que envolvem esse tema e deu pra ver que é muita coisa, certo? Cada uma traz um dado diferente, uma frequência variada, mas em uma coisa elas concordam: a qualidade é mais importante que a quantidade!

Por aqui, a gente também acredita nisso, afinal, queremos sempre que o seu sexo fique mais gostoso e prazeroso; além disso, de nada adianta ser o/a “transante” e não se divertir na relação, tratando o sexo como uma obrigação (mais social do que pessoal).

Felizes…para sempre?! O que acontece depois das núpcias?

Há um estigma social de que, depois do casamento, o relacionamento tende a ir por água abaixo. Quem não lembra os casos de separação entre grandes casais famosos que deixou todo mundo desacreditado do amor?! Daí só se falava que, depois do casamento, vem o divórcio.

Mas isso não é uma regra, pessoal, pois há muitas pessoas casadas e super felizes há anos e anos. Da mesma forma, há quem esteja num namoro, há pouco ou muito tempo, e já esteja cansado da relação – o que também é normal acontecer.

A questão é que, depois de algum tempo junto, um casal acaba tendo que lidar com diversos problemas além do relacionamento, daí já viu: é briga atrás de briga, o desejo esfria, o cansaço aumenta e as coisas não dão certo.

Como lidar com isso? Para gente, a principal solução é bem mais simples do que parece, mas bem mais efetiva do que se acredita por aí: comunicação! Manter um diálogo constante, sincero e, acima de tudo, respeitoso entre vocês vai evitar a maioria desses problemas – e pode interferir até na questão do sexo.

Além de poder entender o que a outra pessoa gosta ou não na cama, conversando é possível saber o que está afetando a libido um do outro, ou se há algum fator interno ou externo que está tirando o tesão etc. Dessa forma, vocês poderão buscar as melhores soluções juntes.

Não queremos dizer que será sempre um mar de flores se vocês manterem o papo em dia, mas que isso facilita muito a entender os problemas que estão passando logo no início e não deixar virar uma bola de neve.

Falta de sexo é sinal de traição?

Outro medo super comum e alimentado pelos dizeres populares é que se o parceiro ou a parceira não está transando em casa, está transando em outro lugar. Cá entre nós, essa ideia já está mais do que ultrapassada, viu?!

Primeiro porque a traição não é só uma questão de desejo por uma pessoa externa ao relacionamento – afinal, não é impossível controlar e entender esse tipo de sentimento. Segundo porque sexo não é oxigênio, então não precisamos dele para viver.

É essencial entender que é normal não querer transar, seja em um momento específico, ou com uma pessoa específica – mesmo que seja o amor da sua vida! E não é porque uma pessoa não quer transar que ela não quer transar com você: geralmente, ela só não está afim mesmo!

Ter esse pensamento de desconfiança é um fator de risco para qualquer casal, afinal, provoca sentimentos negativos e até perigosos, como o ciúmes. Pode não parecer, mas muitos casos de feminicídio iniciam-se com coisas “pequenas” como essas.

Além disso, isso pode ser um sinal de alerta para uma auto análise mais delicada: será que o problema é uma possível infidelidade da outra pessoa, ou uma insegurança sua? Geralmente, a resposta é a segunda opção.

falta de sexo é sinal de traição

O fogo apagou: o que fazer para reacender a chama?

Bom, se a frequência sexual de vocês diminuiu e isso é algo que vem incomodando o casal e deixando-os desconfortáveis, não dá para deixar por isso mesmo. Então, a primeira coisa a se fazer é conversar com calma, como já dissemos antes.

Por meio dessa conversa, vocês saberão lidar melhor com a situação e buscar os meios ideais para isso: seja apimentar a relação; um acompanhamento com um profissional de saúde, psicológica ou física; um momento para si mesmo; ou até mesmo o fim da relação.

Se no caso de vocês, o ideal for dar um up no sexo, não se preocupe: a Dona Coelha te dá várias dicas para fazer isso, afinal, somos especialistas em prazer!

Nossa primeira dica é inovar as posições sexuais! É provável que vocês já tenham aquela posição favorita que sempre leva os dois ao ápice, mas sabia que pode ser mais de uma? Então, por que não inovar? Capricha no alongamento e se joga! Ah, caso você não saiba, aqui, temos um conteúdo incrível de kama sutra gay e lésbico!

Outra ideia é usar sex toys de casal durante o sexo, seja nas preliminares ou em outros momentos da relação. Com eles, vocês poderão descobrir outras sensações e criar ainda mais intimidade.

Nossa última dica (de hoje) é simples mas muito importante: cuidem-se! Isso mesmo, tenham cuidado com quem está nessa jornada com você e façam amor de todas as formas possíveis! O carinho e o cuidado são indispensáveis em qualquer relação.

Sabia que a Dona Coelha e o Renan, seu marido e companheiro, bateram um super papo sobre sexo em relacionamentos longos? Isso mesmo! Você pode ouvir tudinho no podcast que está aqui embaixo:

Bem, por hoje é só! Conte para nós o que achou desse conteúdo aqui nos comentários, adoraremos saber! E não se preocupe: toda semana temos posts fresquinhos para você! Até o próximo!

Receba nossos emails

CADASTRAR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seu cadastro garante que será a primeira(o) a receber as ofertas de Black Friday.

Receba nossos emails

CADASTRAR
Descontos de Valentine's Day
Seu cadastro garante que será a primeira(o) a receber as ofertas do Valentine's Day.
Coletamos dados para melhorar o desempenho e segurança do site, além de personalizar conteúdo para você, confira nossa Política de Privacidade.