Sutiã rosa com bojo aberto sobre fundo azul piscina

Não usar sutiã: mitos e verdades sobre a liberdade dos seios

Não usar sutiã vai muito além de uma escolha para o look do dia, não é? Há gerações e gerações, nós, mulheres, estamos lidando com esse underwear no nosso dia a dia desde a puberdade, quando os seios começam a aparecer.

Há quem defenda o uso para manter os peitos bonitos e erguidos, outras pessoas acreditam que seja uma questão de saúde, enquanto a peça está muito atrelada à autoestima para outras pessoas.

Na contramão de tudo isso, temos as mulheres que não abrem mão de deixar os seios livres, leves e soltos, sem sutiã ou top, seja de forma discreta ou sem se preocupar com os mamilos aparentes.

Afinal, por que tantas mulheres estão abandonando o sutiã? É uma nova moda ou um estilo de vida? Será que esse processo é tranquilo? Faz mal não usar sutiã? Pois é, são muitas e muitas dúvidas sobre esse tema – eu mesma tenho várias!

Por isso, hoje, vou falar para vocês tudo sobre não usar sutiã e dar dicas para quem quer abandonar a underwear de uma vez! Vamos juntas?!

A história do sutiã: como surgiu?

Já faz um tempão que carregamos a ideia de que os seios femininos precisam de algo a mais para sustentá-los. Desde a Antiguidade, as mulheres fazem isso e, lá na Idade Média, os espartilhos eram os grandes objetos que exerciam essa função.

Qualquer um que já assistiu a um filme ou novela de época sabe que os espartilhos não eram nada confortáveis, mas sufocantes e apertados. Para os peitos, sua função era meramente estética.

Foi em 1889 que o primeiro modelo de sutiã surgiu, a partir dos tradicionais espartilhos, com forma um pouco mais confortável criado por Herminie Cadolle, que patenteou a ideia. Mas o título mais conhecido de criadora do sutiã é o de Mary Polly Jacob, em 1914.

Lá em Nova Iorque, ela criou a peça para usar com um look de festa, usando fitas e dois lenços para dar sustentação aos seios debaixo de uma roupa de tecido leve. A ideia foi revolucionária, mas ela não teve sucesso nos negócios e vendeu a sua criação para ninguém mais ninguém menos que a Warner Bros, que faturou 10 mil vezes mais do que o preço que pagou pela invenção.

Daí pra frente, as lingeries foram ganhando formas variadas, visuais inovadores e produção em massa – assim como tudo no mundo de hoje, o desenvolvimento da peça e a sua “necessidade” de uso também foram marcados pelo capitalismo.

Bra-burning no Miss America – a queima do sutiã

Você com certeza já ouviu falar na queima de sutiãs ou viu uma imagem referente a isso quando se busca sobre o movimento feminista, né? Então, é claro que não poderia deixar de dar uma pinceladinha no tema por aqui.

O Miss America Protest ou Bra-Burning aconteceu em 1968, durante a realização do concurso de beleza Miss America, lá em Atlantic City, nos EUA. O ato de protesto contra a sexualização e exploração comercial do corpo feminino invadiu o concurso e ganhou as manchetes da época.

O concurso de beleza, assim como tantos outros, era visto como um meio de propagação dos padrões estéticos e da visão opressiva sobre as mulheres, ou seja, o espaço perfeito para “incendiar” a luta feminista.

Fogo mesmo não teve, afinal, a segurança era essencial dentro do espaço fechado. Mas as cerca de 400 manifestantes colocaram, em uma simulação de fogueira, roupas e acessórios que eram muito usados nos concursos e que padronizavam a beleza e os corpos: espartilhos, saltos altos, laquês, cílios postiços, cintas, makes e, claro, sutiãs.

Além disso, ergueram a bandeira “Liberação Feminina” no centro do evento. Tudo isso junto foi o que tornou a ação incendiária, proporcionando um alcance nacional e, depois, mundial e atemporal.

Por que usamos sutiã? Diagnosticando

Com todo esse histórico em mente, a pergunta que fica é se precisamos mesmo usar sutiã, né? Afinal, ele ajuda ou atrapalha? Faz mal ou bem? Bom, antes de falar sobre isso, vale a pena pensarmos em por que usamos o sutiã.

A verdade é que a função principal da peça é estética, e isso não dá para negar. Dizem por aí que os sutiãs evitam que os peitos fiquem caídos, mas, e se eles caírem, qual é o problema? Para a nossa saúde, nenhum!

O problema do seio caído é exclusivo dos padrões de beleza, que dizem que os únicos peitos bonitos são aqueles firmes e para cima, iguais aos das novelas e das telas de cinema. Esses padrões de beleza estão tão naturalizados na nossa cultura que a gente acaba achando que isso influencia diretamente na nossa saúde.

E não para por aí, viu? Além do padrão de beleza inalcançável que cerca nossos seios, eles ainda são sexualizados, o que impõe ainda mais a necessidade do sutiã. A ideia de que “homens só gostam de peitos firmes e erguidos” faz com que muitas mulheres (heterossexuais, principalmente) se submetam a peças desconfortáveis a vida inteira.

Isso só sustenta a ideia das cavernas de que o corpo da mulher é público e que deve funcionar para o outro e para a sociedade, e não só para ela – como acontece com os homens.

Então, a Dona Coelha tá aqui para ressaltar que todos os corpos são bonitos, todos os seios são lindos e merecem ser amados e admirados da mesma forma – mas por você mesma! Se você quiser usar um sutiã, use por você!

Mamilos femininos: a polêmica das redes sociais

Se o peito caído já é um tabu na sociedade, os mamilos femininos, nem se fala! Todo mundo tem mamilo, eles são todos iguais, mas é só a mulher deixar o dela um pouco aparente que o mundo fica em estado de choque!

Uma mulher com o mamilo marcando na roupa é vista como uma pessoa vulgar, ainda mais se o mamilo estiver duro – o que é super normal e, na maioria das vezes, não tem nada a ver com excitação sexual.

Ficar sem sutiã na praia, então, fora de cogitação! Enquanto os homens ficam livres para aproveitar os dias de sol de peito aberto e sem camisa, fazer o mesmo sendo mulher ganha até um nome especial, e é restrito a alguns espaços: o topless.

Tudo isso porque os seios femininos são vistos como objetos sexuais do prazer alheio antes de qualquer outra coisa. E não é só nos espaços do dia a dia que isso acontece – os mamilos femininos não escapam da perseguição nem na internet.

Uma das grandes polêmicas das redes sociais é justamente a proibição e bloqueio dos conteúdos de nudez, mas até aí tudo bem. No entanto, essas mesmas redes permitem um peito masculino à mostra, mas um feminino, não – mais um indício da sexualização dos nossos corpos.

Até mesmo para campanhas de saúde, como de orientação à prevenção do câncer de mama, os seios de mulheres não podem aparecer, sendo que elas são o principal público alvo nessas ações.

Fotos de seios nas redes sociais: mais liberdade!

Como, felizmente, a internet é rápida e cheia de inovações, já há vários movimentos, como o #FreeTheNipple, rolando nas redes sociais para diminuir essa desigualdade de expressão.

E trago novas: em 28 de outubro de 2020, o Instagram passou a permitir fotos de seios femininos na plataforma, assim como o Facebook, as maiores e mais usadas redes sociais do mundo!

Ainda existem algumas limitações quanto ao conteúdo a fim de não dar margens à veiculação de fotos e vídeos pornográficos nas redes. Os seios podem aparecer abraçados, acariciados ou sendo segurados com as mãos, mas nada exagerado. Como assim? A gente explica.

Caso seja notada mudança no formato dos peitos devido a pressão ou agarramento e coisas do tipo, o conteúdo ainda quebrará as novas políticas das plataformas. Eles também farão uma análise mais aprofundada nos conteúdos para entender quando eles estão ok ou não. Legal, né?

Mais legal é saber que essa mudança se deu a partir de uma mulher. A modelo negra plus-size Nyome Nicholas-Williams acusou o Instagram de discriminação e censura após ter uma série de conteúdos apagados por mostrar os braços e uma parte dos seios – impedimento que nunca foi visto em publicações de modelos magros e brancos.

Ela começou a publicar fotos que iam contra as diretrizes todos os dias, criando um movimento que foi seguido por diversos outros criadores de conteúdo das mídias.

Quais os benefícios de usar sutiã?

Que o sutiã causa desconfortos e pode ser muito incômodo, a maioria de nós já sabe, mas ele também pode trazer diferentes benefícios ao dia a dia, sabia? Há casos em que o sutiã se torna indispensável. Vem comigo entender melhor:

Qualidade na prótese mamária

Muitas mulheres sonham em aumentar o tamanho dos seios, seja por um desejo pessoal ou pela influência midiática dos padrões de beleza. Quando elas passam pela aplicação de silicone, usar o sutiã pós-cirúrgico é essencial para garantir que a prótese não se mexa durante o período de recuperação.

Dessa forma, o sutiã correto influencia diretamente no procedimento estético para que você tenha os seios com os quais tanto sonhou.

Segurança para seios grandes

Quem tem os seios mais fartos, no geral, sente-se mais segura e confortável quando está usando sutiã – e não é esse o intuito das nossas escolhas, ficar à vontade? Isso porque as peças acabam ajudando a manter a postura adequada, desde que sejam usados os tamanhos adequados.

Optar por peças largas e com alças espessas também pode fazer diferença no quesito conforto, caso você opte por manter a lingerie no dia a dia.

Após mastectomia

Que os seios são socialmente relacionados à feminilidade não é novidade, por isso, quando passam pela retirada da mama, muitas mulheres se sentem mal com a ausência dos seios. Para diminuir o impacto visual dessa mudança, existem sutiãs com preenchimento para usar após a recuperação da cirurgia.

Esse aspecto estético vai além da vaidade de uma forma geral, pois pode ser responsável pela autoestima da pessoa, como consequência, pela estabilidade mental e psicológica.

Vantagens e desvantagens de não usar sutiã: vale a pena?

Agora você pode estar se perguntando quais são as vantagens e as desvantagens de não usar o sutiã, então, a gente explica!

Vantagens de não usar sutiã

Para responder à pergunta: quais os benefícios de não usar sutiã, eu fiz uma listinha básica para você entender melhor, dá uma olhada:

  • Mais saúde e conforto: a maioria das mulheres não usa o tamanho certo de sutiã, seja porque não sabe qual é ou devido à padronização das formas das peças. Daí, já viu: é dor nas costas, apertões, pele marcada, machucados com o ferro de sustentação e até falta de ar. Assim, não usar sutiã é uma forma de se libertar de peças que prejudicam a sua saúde;
  • Sono da Bela Adormecida: quem não tira a lingerie nem para dormir, certamente, passa por maus bocados durante a noite. Dormir sem sutiã é essencial para garantir mais conforto e comodidade, além de liberdade de movimentos no seu momento de descanso. Usar a peça durante o sono não traz nenhum benefício, mas pode deixar você incomodada a noite inteirinha;
  • Mais economia: entre tantas questões sobre usar ou não o sutiã, a gente acaba esquecendo que deixá-lo de lado resulta em uma boa economia! Sem precisar comprar peças novas, você garante o dinheiro para uma coisa mais interessante – pode ser o que faltava para garantir o seu vibrador dos sonhos!
  • Seios mais fortes: a gente não é nenhuma Gracyanne Barbosa, mas manter a musculatura dos seios fortalecida é possível! Para quem teme que os seios fiquem caídos se não usar o sutiã, saiba que essa é uma oportunidade de exercitar o tecido da região e mantê-los com a sustentação necessária mesmo sem a lingerie.

Desvantagens de não usar sutiã

Deu para ver que existem várias vantagens em abandonar de vez o sutiã, né? Mas como nada nessa vida é mil maravilhas, algumas desvantagens no não-uso da peça também podem ser observadas, veja só:

  • Despreparo social: como a gente viu, apesar de muitas mudanças, ainda hoje a sociedade não sabe tratar os seios femininos como eles devem ser tratados: como peitos. Escolher não usar sutiã implica ter que lidar com o despreparo da sociedade para isso: olhares agressivos, assediosos e de reprovação costumam acontecer, isso sem falar dos comentários desnecessários;
  • Insegurança: uma coisa leva à outra. Assim, é bem comum se sentir insegura tanto com a sua aparência quanto com a mensagem que os outros podem estar tendo quando se começa essa transição para a liberdade dos seios. O segredo é ter em mente que não usar sutiã é normal e, acima de tudo, natural.

Informativo sobre as desvantagens e vantagens de não utilizar sutiã

Não sei se deu para notar, mas as desvantagens de não usar sutiã são provocadas pela sociedade e pelos outros, e não por você. Passar por esse processo pode ser um desafio e tanto, mas vale muito a pena para seu conforto e bem-estar, além de poder ser um processo de desconstrução coletivo – você pode influenciar muitas pessoas com isso!

Mitos e verdades sobre o uso do sutiã: Dona Coelha desvenda!

O assunto é longo e a gente sabe que há muitas falácias sobre o uso do sutiã por aí. Por isso, agora, vamos desvendar o que é mito ou verdade sobre o uso do sutiã! Olha só:

Usar sutiã faz mal? – meio termo

Usar sutiã não faz mal desde que ele esteja adequado ao seu corpo e que você realmente queira usá-lo! Se não estiver te machucando ou apertando, bem como não for uma prisão mental para você sobre o que é ser bonita, não há problema nenhum em usar a peça.

O problema existe quando ela é limitante tanto para o seu corpo quanto para a sua mente!

Sutiã de bojo causa câncer? – mito!

Não existem estudos que correlacionam o uso de sutiã com o câncer. Assim, usar sutiã de bojo não causa câncer. Em uma pesquisa estadunidense realizada em 2002, foi avaliada a relação entre a lingerie e o risco do câncer de mama.

Nela, nenhuma característica dos sutiãs apresentou relação com a doença: nem bojo, tempo diário de uso, idade de início ou os sutiãs com metal – estes últimos podem, sim, causar dores nos seios se estiverem muito apertados.

Usar sutiã deixa os seios mais firmes? – mito!

Há quem diga que o uso do sutiã deixa os seios mais firmes, no entanto, isso não é um consenso. O suporte garante mais estabilidade às mamas, deixando-as “no lugar”, mas não usar sutiã também pode promover seios firmes.

Isso vai depender da rotina e de fatores fisiológicos. Manter a prática de exercícios constantes e uma alimentação saudável é um diferencial – até o colágeno pode ajudar nesse processo, mas lembre que é natural que os seios “caiam” com o avançar dos anos e tá tudo bem!

Você pode parar de usar sutiã, mas não precisa!

Chegando até aqui, você pode estar pensando que precisa abandonar os sutiãs e deixar os seios livres o quanto antes, mas calma! Nada de fazer fogueira e queimar sutiã no quintal, tá bem?

Usar ou não sutiã deve ser uma escolha exclusivamente sua! De fato, há muitas vantagens em abandonar a peça, especialmente o conforto e a liberdade, mas eu sei que esse é um processo delicado e muito individual.

O fato de uma mulher não usar sutiã não significa que ela queria algo além do próprio conforto, mas a sociedade toda ainda não entende isso. Como falei antes, lidar com os padrões e as imposições sociais pode ser uma pressão e tanta, e talvez você não queira ou não se sinta preparada para isso – e tá tudo bem!

Talvez você se sinta mais segura, bonita e confortável com o seu sutiã, e deixar de usá-lo só porque leu em algum lugar não seria uma escolha sincera sua, entende? Essa decisão deve partir de você e usar sutiã não te faz menos feminista, também.

#NoBra: dicas para uma transição tranquila!

Se você é do time das que querem se livrar por completo dos sutiãs e deixar os seios livres e super confortáveis, mas fica nervosa com a ideia de ter que lidar com as pessoas sem noção que estão por aí, preparei algumas dicas simples para te ajudar a tornar o processo mais leve e saudável para você!

Devagar e sempre!

Por aqui, eu acredito que todo tipo de mudança deve ser feito aos poucos, para garantir que o processo não seja traumático ou desencorajador – com o desapego do sutiã não seria diferente.

Comece deixando de usar a peça em casa, caso você a use nesse ambiente. Depois, deixe de usar com roupas mais estruturadas, que não marquem tanto, para que você não se sinta desconfortável – apostar em peças que tenham aquele bojo embutido é uma ótima opção.

Vá observando como você se sente a cada nova experiência, assim, você conseguirá saber quando dar um passo para frente ou quando é hora de desacelerar – mas não pare enquanto esse for o seu objetivo!

Use sutiãs sem bojo

Sim, uma das formas de parar de usar o sutiã é usar o sutiã (irônico, né?). Optar pelos modelos sem bojo vai fazer com que você experiencie a sensação dos peitos livres antes de ficar sem a lingerie.

Assim, você consegue ir se preparando pouco a pouco para a transição de abandonar de vez a peça.

Cuide dos mamilos

Não, eu não estou dizendo para você parar de usar sutiã mas não mostrar os mamilos, só que eu sei que deixá-los mais aparentes é uma das partes mais difíceis dessa transição – afinal, somos parte de uma sociedade que não está habituada aos mamilos femininos no dia a dia, sem ser em pornôs ou entre quatro paredes.

Por isso, mostrá-lo aos poucos pode te ajudar a sentir mais confiança na hora de abandonar a underwear. Para isso, existem adesivos para cobrir só o mamilo – são uma boa saída para quem já não usa o sutiã, mas não se sente confortável com isso no trabalho por exemplo.

Só tenha em mente que esse pode ser um processo temporário para se sentir mais à vontade e preparada com a ideia.

Ah, e essa é só uma das opções de o que usar no lugar do sutiã! Você também pode usar aqueles modelos de silicone sem alças que não são presos ao corpo senão pela cola que possuem.

Dicas para a transição do uso de sutiã para sem sutiã

E aí, conta pra gente, você é do time #NoBra, usa de vez em quando ou não abre mão dos seus sutiãs? Vamos compartilhar histórias! E aproveita para convidar aquela amiga que está nesse processo de libertação para conferir nossas dicas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dona coelha e os cookies: usamos cookies para melhorar a experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.