Pessoa de calça branca e camiseta amarela segurando uma banana, no fundo da imagem desenho de vários de cachos de banana

Excitação do nada? Entenda se é normal e o que fazer!

E aí, você já ficou com excitação do nada? Quem nunca passou por isso que atire a primeira pedra! Eu sei que é muito mais visível entre pessoas que, assim como eu, têm pênis, mas quem tem pepeca por aí também pode se encontrar excitado e não entender o porquê – e para as vaginas isso é muito mais fácil de acontecer!

Para uns, a surpresa é mais perceptível, enquanto para outros é algo fácil de esconder. De qualquer forma, essa ocasião inusitada tende a deixar as pessoas desconfortáveis e pode até nos colocar em situações bem complicadas.

Por isso, hoje, eu vim aqui explicar para vocês se é normal ou não ficar excitado do nada, o que pode causar a excitação involuntária e como lidar com o inesperado sem apuros e desesperos.

Ah, vale a pena ressaltar que esses problemas afetam tanto o sexo masculino quanto o feminino, por isso as informações são valiosas para ambos – independente, também, do gênero de cada um, tudo bem?

Você sabe a diferença entre sexo e gênero? Entenda mais no nosso post sobre identidade de gênero!

Preparades? Então, vamos lá!

Por que eu fico excitado do nada? Entenda seu corpo

A gente sabe que, no geral, ficamos excitados devido a algum estímulo físico, visual ou até mental, não é? Assim, quando essa excitação provoca ereção ou a lubrificação das genitálias, é bem provável que qualquer pessoa pense que se trata de desejo por sexo, mas nem sempre o caminho da lógica faz sentido.

A verdade é que, em alguns casos, nosso corpo responde a estímulos de forma automática, sem que estejamos com desejo de fato. Por isso, ficamos sem entender por que tivemos essa excitação do nada. Isso é o que se chama de excitação involuntária.

Isso é bem comum entre homens e mulheres e tem a ver com o corpo, mas não com a mente. O cientista Pere Estupinyà explicou que é normal que as genitálias fiquem excitadas e a mente, não – mesmo que, no geral, as duas coisas andem de mãos dadas.

Isso porque os estímulos que nos excitam podem envolver tanto o campo mental quanto o físico, seja juntos ou de forma isolada. Isso significa que seu corpo pode estar lubrificado e ereto, mas sua mente não está nem aí para o sexo, e o contrário também!

Mesmo as pessoas que apresentam paralisia nessa região do corpo podem ter ereções e até orgasmos a partir de uma estimulação direta nas genitais, mesmo sem nenhuma estimulação no cérebro – inclusive sem sinais enviados pelos neurotransmissores.

Excitação involuntária é normal?

Sim, é normal ter excitação do nada e, não, isso não significa que você quer transar ou está morrendo de tesão no meio da rua – apesar de poder parecer. Como vimos, a lubrificação e a ereção podem acontecer a partir de estímulos apenas físicos, por exemplo.

E como já sabemos e falamos por aqui várias vezes, uma pessoa só está afim de sexo quando ela diz que está, e até que ela diga que não está mais! Então, mesmo que o corpo diga outra coisa, lembre que há uma mente “por trás” dele que tem muito mais valor na hora de decidir o que pode ou não pode ser feito.

Acho importante ressaltar esse ponto porque, muitas vezes, essa surpresinha pode se tornar um grande problema para quem passa por ela e para as pessoas ao redor. Por exemplo, é bem comum, durante a puberdade, que os meninos cis tenham ereções do nada – afinal, o corpo está lidando com hormônios em quantidades novas, estímulos sensoriais se tornam mais intensos e eles ainda não sabem lidar com isso.

Nessas situações, ele pode se sentir exposto e super desconfortável, além de poder incomodar quem está à sua volta, que pode entender o acontecido como uma situação de assédio ou, no mínimo, uma situação constrangedora, ainda mais se ele estiver entre outros adolescentes.

Esse é um exemplo até fácil de lidar. Um pouco de ar fresco, conversa franca e um aulão sobre educação sexual podem fazer a diferença para a garotada que enfrenta situações como essa.

Informativo sobre excitação invonlutária

Mas você sabia que a excitação involuntária pode acontecer até em situações de abuso? Isso mesmo! E esse fenômeno é, muitas vezes, usado como “justificativa” por criminosos para invalidarem vítimas de estupro e abusos sexuais.

Estupinyà explica que, em alguns momentos de estresse agudo, ao invés de inibir a excitação, o estresse pode ajudar nisso, pois impulsiona o fluxo sanguíneo nas genitais, o que induz à lubrificação. Isso poderia, segundo o cientista, ser uma forma de defesa do corpo e da mente diante a agressão física e psicológica.

Então, é importante lembrar que estar excitado nem sempre significa ter desejo sexual! Mais importante do que isso é enfatizar que a vítima não tem culpa nunca e, depois do não, tudo é abuso!

Causas da excitação involuntária: para ficar atente

Agora que vocês já entenderam que a excitação do nada não é um mito e que pode, realmente, acontecer de forma inesperada, entenda algumas causas e situações comuns que geram a excitação não concordante:

Exames ginecológicos e urológicos

Sim, na ida rotineira ao médico, é possível ficarmos lubrificados e, até mesmo, eretos, mesmo sem estarmos sentido desejo ou prazer. Isso acontece devido aos estímulos físicos que podem acontecer em alguns exames, sejam vaginais ou no reto.

Nessa hora, não precisa se preocupar muito. O segredo é relaxar e manter a calma, afinal, espera-se que os médicos entendam a natureza daquela “excitação”. Acima de tudo, são profissionais de saúde.

Se você continuar se sentindo desconfortável, vale a pena pedir licença por um tempo e, principalmente, conversar com seu médico ou sua médica.

Hormônios

Lidar com os hormônios não é uma tarefa fácil, especialmente em alguns momentos da vida, certo? A puberdade é um deles. Nesse período, os hormônios sexuais se destacam e influenciam diretamente na excitação involuntária.

O mesmo pode acontecer durante a gravidez, quando o sexo feminino passa por oscilações hormonais que influenciam no humor, na disposição e até na excitação da pessoa grávida. Daí, ela pode ficar excitada mesmo sem ter desejo sexual nenhum no momento.

Impulsos fisiológicos

Sabia que, também na puberdade, há outros impulsos que podem acabar provocando uma excitação interna? A fome é um deles, assim como a movimentação dos intestinos. Inusitado, não é?!

Como lidar com a excitação involuntária em espaços públicos?

Especialmente para os pênis de plantão, ter uma excitação não concordante em locais públicos pode ser ainda mais problemático, como eu já mencionei antes. Afinal, geralmente, com a excitação do sexo masculino vem a ereção e aí já viu… Todo mundo vai ver!

Minha dica, nesses momentos, é não se desesperar, mas tomar alguns cuidados, especialmente se você for um homem cis entre pessoas desconhecidas:

  • Não fale que está excitado;
  • Esconda a região da virilha com alguma roupa ou objeto;
  • Tente relaxar e distrair a mente;
  • Se alguém ver e se incomodar, peça desculpas.

Eu sei que tudo isso pode parecer muito limitante, mas a intenção não é bem essa. Quando se tem uma ereção em público, nós podemos ofender e até apresentar periculosidade às pessoas ao nosso redor – especialmente às mulheres, que têm que lidar com tudo quanto é tipo de assédio todos os dias.

Você sabia que já falei por aqui sobre um desses tipos de assédio? Entenda o que é o assédio virtual!

Assim, tomar esses cuidados mais limitantes nesse momento é uma forma de prezar pelo bem-estar coletivo e, até mesmo, prevenir possíveis situações vexatórias ou lixatórias, entende?

Lembre-se de que, em casos de excitação não concordante, você não tem culpa por seu pênis estar ereto, mas aí entra a responsabilidade. Manter a calma é sempre o melhor segredo para lidar com isso.

Informativo sobre ereção em público

Agora que você já sabe mais sobre a excitação não concordante, me diz aí: você já ficou excitada(o) do nada? Como lidou com essa situação? Compartilhe suas dicas e táticas com a gente aqui nos comentários! Nos vemos na próxima!

 

Um comentário sobre “Excitação do nada? Entenda se é normal e o que fazer!

  1. Rodrigo dos Santos Nascimento disse:

    Isso é bem recorrente em mim, principalmente quando pego ônibus lotados, vira um pesadelo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Coletamos dados para melhorar o desempenho e segurança do site, além de personalizar conteúdo para você, confira nossa Política de Privacidade.