Estereótipo de Gênero: o que é e como acabar!

Você provavelmente já ouviu falar sobre estereótipo alguma vez na vida, existem diversos tipos: racial, LGBTQIA +, social, identidade e por aí vai. Até mesmo os gêneros literários e os tipos de filmes recebem esse tipo de estigma.

Mas, hoje, vou falar especialmente do estereótipo de gênero, o que ele é, seus efeitos, como acabar e quais são os mais comuns pra cada.

Antes de tudo, preciso ressaltar aqui: existem muitos estereótipos com as pessoas que fogem do padrão binário e não se encaixam e/ou se veem como homem ou mulher. Elas estariam dentro dessa abordagem, mas os estereótipos são tão preconceituosos que sequer as colocam como uma possibilidade, trabalhando apenas com o padrão “homens” e “mulheres”.

Sendo assim, se você nasceu com vulva, aprendeu que deve ser de uma forma, e se você nasceu com pênis, de outra. Errado? Completamente, mas é por isso que não vou abordar eles aqui. Vou apresentar os estereótipos para aprendermos sobre eles e não para reforçá-los.

O que são estereótipos de gênero?

Os estereótipos de gênero são conceitos e expectativas atreladas aos gêneros normativos que a sociedade vai aplicando silenciosamente na cabeça das pessoas, desde pequenas. Eles são passados aos poucos pela família, pela escola e ainda pelas mídias.

Por exemplo, a menina, quando nasce, deve usar rosa, brincar de boneca, de casinha e ser educada pra crescer e ser mãe, dona de casa, recatada e feminina.

Mas vai muito além disso, esses pensamentos se tornam intrínsecos a ponto de, até hoje, acreditarem que mulher não deveria ser piloto, engenheira, mecânica e outras profissões tradicionalmente vistas como masculinas. Eles também impedem que homens sejam livres pra chorar, sentir e se expressar como desejar, porque “homens devem ser frios e brutos”.

Quer conhecer mais tabus pra poder quebrá-los? Então confira nosso post sobre a sexualidade feminina!

Como os estereótipos de gênero afetam as pessoas?

Tem gente que pensa que lutar contra esses estigmas é besteira e, às vezes, até considera uma frescura. Mas a realidade é diferente. Segundo um estudo publicado na Science¹, por volta dos 6 anos, as meninas começam a acreditar que homens são mais inteligentes e têm mais potencial de serem brilhantes.

Isso faz com que elas não se dediquem tanto quanto poderiam nas coisas que gostam e explica o porquê muitas profissões, ainda hoje, são tidas como masculinas.

Outro fator é a descredibilização moral das pessoas que fogem do padrão, seja pelo bullying ou pela segregação social: esse é um fenômeno visto desde os anos de colégio até a fase adulta.

Vale mencionar também, que segundo a Dr. Thaiana Brotto², homens tendem a não aceitar ajuda profissional da psicoterapia por acreditarem que devem ser mais resolvidos, fortes e não devem demonstrar seus sentimentos — segundo a sociedade, é claro.

Esse é uma das razões mais especuladas pras taxas de suicídio serem maiores entre homens: segundo o Boletim Epidemiológico do Ministério da Sáude³, a taxa de suicídios por 100 mil, em 2019, foi de 10,7 pra homens e de 2,9 pra mulheres. A outra razão mais comum é a escolha de métodos mais brutais, já que a taxa de tentativa é maior em mulheres³.

Então, acho que já passou e muito da hora de acabarmos com essa prisão social, né?

Quais são os estereótipos de gênero mais comuns?

Agora que você já sabe o que são, quais suas consequências e como lutar contra eles, que tal conhecer um pouco mais sobre os estereótipos de gênero mais comuns? Afinal, é conhecendo as “regras” que aprendemos a quebrá-las. Bora lá?

Estereótipos femininos: características e profissões

As características psicológicas consideradas femininas, demandadas das pessoas que nascem como vulva desde pequenas, são:

  • Submissão ao homem;
  • Fraqueza;
  • Delicadeza;
  • Dona de casa;
  • Não é esportiva;
  • Não é tão inteligente;
  • Se é mais empoderada, é louca.

Isso pode afetar diretamente a autoestima e a liberdade de expressão das pessoas com vulva. As profissões tidas como femininas e que raramente são vistas sendo feitas por homens normalmente são:

  • Enfermagem;
  • Pedagogia;
  • Ensino;
  • Culinária;
  • Psicologia clínica;
  • Assistência Social;
  • Fisioterapia;
  • Limpeza.

Estereótipos masculinos: características e profissões

Já as características psicológicas consideradas masculinas, demandadas das pessoas que nascem como pênis desde pequenas, são:

  • Atitude autoritária e bruta;
  • Nada de sensibilidade emocional
  • Frieza;
  • Grosseria;
  • Ótimo desempenho sexual, sempre.

Tudo isso pode ser muito prejudicial pro psicológico e o desenvolvimento de habilidades sociais e emocionais dessas pessoas, assim como uma futura vida a dois. E as profissões tidas como masculinas e raramente são vistas sendo feitas por mulheres — e quando é feito, são mal vistas — normalmente são:

  • Médico;
  • Piloto de avião;
  • Repórter esportivo;
  • Eletricista;
  • Carpinteiro;
  • Mecânico;
  • Motorista;
  • Profissionais de construção civil;
  • Engenheiro;
  • Policial civil ou federal;
  • Bombeiro;
  • Perita;
  • Profissional de tecnologia em geral.

Como acabar com os estereótipos de gênero?

O fim do estereótipo de gênero deve começar dentro das escolas, afinal, é lá que as crianças passam boa parte de sua fase de crescimento e autoconhecimento.

Se, desde os primeiros anos na escola, o estigma entre profissões e comportamentos for abolido e a liberdade pra se expressar for maior, as crianças poderão crescer pra serem elas mesmas e se esforçarem pra se tornarem aquilo que desejam pra si. Claro que o aprendizado dentro de casa também é indispensável.

Aliar essa desconstrução no ambiente em que a criança ganha seu conhecimento de mundo com o lugar em que ela internaliza seus valores e crenças é a chave para o fim dos estereótipos.

Vale mencionar também que, segundo especialistas⁴, o ideal é não diferenciar brincadeiras pelo gênero, já que as atividades definidas como “masculinas” costumam desenvolver habilidades espaciais e as “femininas” as habilidades sociais e de cuidado ao próximo.

Separar pelo sexo biológico de uma criança pode limitar o seu desenvolvimento. Ou seja, como responsável, educador ou como uma pessoa ativista, lute por escolas mais inclusivas e tente sempre dar o exemplo e a atitude pras crianças ao seu redor!

E então, o que achou do conteúdo sobre estereótipos de gênero? Espero ter te ajudado a entender mais sobre o assunto e a lutar por um mundo mais igualitário. Aproveite também pra conferir nosso conteúdo sobre não querer ser mãe!

Nos vemos lá!

 

Referências:

1 – Bloomberg. Little Girls Doubt That Women Can Be Brilliant, Study Shows. > Disponível em: https://www.bloomberg.com/news/articles/2017-01-26/little-girls-doubt-that-women-can-be-brilliant-study-shows

2- Dr. Thaiana Brotto, Psicólogo e Terapia. Saúde mental masculina. > disponível em: https://www.psicologoeterapia.com.br/blog/saude-mental-masculina/

3- Ministério da Sáude. Boletim Epidemiológico: Mortalidade por suicídio e notificações de lesões autoprovocadas no Brasil. > https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/epidemiologicos

/edicoes/2021/boletim_epidemiologico_svs_33_final.pdf

4 – Believe. Earth. Como educar crianças para um mundo com igualdade de gênero > disponível em: https://believe.earth/pt-br/como-educar-criancas-para-um-mundo-com-igualdade-de-genero/

Um comentário sobre “Estereótipo de Gênero: o que é e como acabar!

  1. Amigo disse:

    Me parece que o gênero é trazido como uma questão final que é a sexualidade, isto é: elenca “atributos” a homens e mulheres, até chegar a heteronormatividade! Percebi isso em detalhes sutis entre homens: no prédio que moro, o porteiro na chegada de um grupo de mulheres, estava levando para o elevador compras que já estavam no carrinho do condomínio (sem demandar esforço fisico)! Já quando chego com sacolas de supermercado (não sou de fazer rancho) nem se levantar da cadeira, para chamar o elevador, o porteiro se dispõe. Então, a saída é desmistificar essas teorias, como um taxista, citytour na cidade para a qual viajei, presumo “encontrou” numa praiana com biquini em que se percebia praticar sexo anal (ele me chamou atenção a esse detalhe), devido como estavam as bordas das nadegas, para ele “sinalizar” ser ativo com homem, já que depois me dava a mão para me apoiar nele em trechos irregulares da calçada! Então o importante é foco no que se é em todas as áreas da vida!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

usamos cookies melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.