Diálogo no relacionamento: como ter conversas saudáveis

Casal com semblante pensativo e mão no queixo

O diálogo no relacionamento é uma ferramenta indispensável tanto nos momentos de tensão quanto nos de alegria. Uma conversa saudável pode ser a chave pra prevenir várias frustrações e brigas desnecessárias, isso é uma coisa que a gente acredita muito aqui e que eu e o Renan levamos pro nosso relacionamento há mais de 10 anos.

Mas não é tão simples assim criar um diálogo com a nossa parceria, né? Às vezes, a gente só quer falar o que nos chateia, sem ouvir o que a outra pessoa tem a dizer, porque nos parece injustificável. Outras vezes, é a gente que ouve e não tem a oportunidade de falar, isso sem falar de quando as duas (ou mais) pessoas falam ao mesmo tempo e ninguém se escuta.

Por isso, neste conteúdo, eu conversei com uma psicóloga especialista em relacionamento e vou contar pra você tudo sobre a importância do diálogo pros casais, como criar conversas saudáveis e produtivas, como identificar se a sua relação não tem diálogos e só monólogos, além de dar algumas dicas pra manter as conversas com a sua parceria. Quer saber tudo isso? Então, continue a leitura.

O que é diálogo entre casal?

De acordo com o dicionário de Oxford, “diálogo” é o termo usado pra definir a “fala em que há a interação entre dois ou mais indivíduos”, ou seja, é uma conversa. No relacionamento, isso não é diferente. O diálogo entre o casal é aquela conversa em que você e sua parceria interagem e trocam ideias sobre a relação a dois.

Assim, quando só uma pessoa fala e a outra escuta (ou finge que está ouvindo), não existe um diálogo, de fato, mas um monólogo. Da mesma forma, se as duas só falam, mas não rola a interação entre elas, não existe um diálogo, mas dois monólogos. O diálogo é a conversa, o bate-papo, a troca de ideias, isto é, todas as pessoas envolvidas estão dando e recebendo informações e interagindo com elas ao mesmo tempo.

Qual a importância do diálogo no relacionamento?

Na relação, o diálogo funciona como uma ferramenta pros momentos bons e ruins. Quando está tudo bem, é muito mais fácil conversar com a nossa parceria e, nessa hora, é importante usar os princípios do diálogo que comentei antes como base, sabendo quando falar e quando escutar. Ele pode entrar em cena já nos primeiros encontros, quando vocês estão se conhecendo e descobrindo mais um do outro.

As boas conversas podem aumentar a intimidade do casal, além de fortalecer a confiança. É com diálogo que você consegue passar pra sua parceria alguma situação ou comportamento que te incomoda ou te gera insegurança, por exemplo, pra que ela saiba desse sentimento e que vocês possam entendê-lo e buscar uma solução juntos, se precisar.

Nos momentos ruins, que existem em todo relacionamento, saber conversar é ainda mais importante. De acordo com a psicóloga Marcela Estrela, especialista em relacionamentos, é por meio da comunicação que construímos a relação:

“Através da comunicação é que expressamos nossas necessidades e sentimentos, e somente assim podemos compreender as necessidades e emoções do outro também. Sem esse entendimento, as relações tendem a não caminhar muito bem, as insatisfações aumentam e os conflitos também.”

Assim, o diálogo funciona como uma ferramenta de manutenção da relação, seja pra vocês se conhecerem, respeitarem, amarem mais ou até pra ter mais prazer juntos – sim, tem que ter conversa até quando o assunto é prazer e sexo.

E quando o relacionamento não tem diálogo?

Um relacionamento sem diálogo pode acabar sendo mais raso e, por vezes, não dando certo. A psicóloga Marcela Estrela explica que a falta de conversa pode fazer com que as insatisfações e os problemas do casal fiquem não resolvidos e se acumulem. Nesse papo que eu tive com ela, a especialista explicou:

“Sem esse diálogo vamos adiando a resolução de certas questões e isso vai se acumulando na relação, podendo chegar a um ponto em que não existe mais o que ser feito.”

Você pode estar pensando que a conversa não é a única coisa que mantém uma relação e isso é verdade. Mas é por meio de uma comunicação saudável que o vínculo entre o casal é criado, alimentado e mantido. Marcela Estrela contou que “sem a comunicação, não existe conexão, não existe vulnerabilidade e a relação acaba se tornando frágil e superficial”.

Por vezes, quando o relacionamento chega nesse ponto, é muito importante pensar em como terminar pra que vocês não fiquem ainda mais desgastados. Mas, há casos em que é possível recorrer ao diálogo pra tentar reviver a relação e evitar o seu fim. Se você acha que é o seu caso, as próximas dicas são pra você!

Como criar diálogo no relacionamento?

Se vocês ainda não têm o hábito de dialogar sobre a relação, preciso adiantar que não é um processo fácil, mas ele pode ser mais simples do que parece. Digo que ele não é fácil porque vocês vão ter que mudar a forma que se comunicam individualmente pra conseguirem ter conversas realmente boas pra relação. Vai ser um processo mesmo, com etapas, pra que vocês olhem cada um pros seus comportamentos na hora da conversa e vejam o que precisa melhorar. Mas como eu gosto de facilitar as coisas, ou pelo menos tentar, preparei algumas dicas pra vocês saberem por onde seguir:

1. Faça uma autoavaliação

Sim, antes de pensar em melhorar a comunicação com a sua parceria, é muito importante saber como você pode fazer isso e, no geral, a resposta está em si mesmo. Isso porque uma conversa que não dá certo depende de todos os envolvidos nela e é preciso que você olhe pros seus comportamentos pra entender o que está ajudando e o que está atrapalhando os diálogos com a sua parceria.

Então, reflita sobre como você age nas conversas difíceis, se você escuta sua parceria, se lembra os descontentamentos dela, se tenta entendê-los ou só quer ter uma resposta pra se sentir “certo”. Além disso, pense em como você coloca (ou não) as suas visões, o quanto elas são realistas sobre as situações e o quanto elas estão “maiores” por conta de um sentimento mal resolvido.

E quando você já souber o tema da conversa, se for um problema específico, pense em como você se sente sobre esse assunto, quais pontos que mais mexem com você e o que pode fazer sobre eles, coisas que não dependem da sua parceria. Essa é uma forma de entender se você não está sendo negligente consigo mesmo também.

2. Abandone as idealizações

É muito comum a gente ter uma ideia de relacionamento perfeito e parceiro ideal. Mas, na vida real, o que a gente idealiza da nossa parceria são apenas expectativas nossas, que podem ou não ser supridas pela outra pessoa. Muitas frustrações acontecem porque essas expectativas idealizadas não são atendidas, só que, por vezes, a gente não se dá o trabalho de mostrá-las pra outra pessoa ou a gente para de viver a realidade e fica só focado na nossa imaginação.

Isso porque, quando se trata de idealizações, estamos falando de coisas, no geral, irreais, porque não existe perfeição, muito menos pessoa perfeita e, na relação de casal, isso se torna ainda mais difícil, já que o que pode ser o ideal e perfeito pra você não necessariamente é pra sua parceria. O melhor a se fazer antes de começar um diálogo é deixar de lado essas idealizações e focar no real, no que você realmente pode oferecer e esperar da relação com aquela pessoa específica que está junto com você.

3. Não crie respostas, pergunte

Outra coisa que limita muito as conversas entre casais são as respostas que a gente cria na nossa cabeça. Como assim? Quando tem algo nos incomodando, antes de perguntar pra parceria por que ela fez aquilo, como ela vai arrumar o lado dela, a gente já cria respostas que, muitas vezes, alimentam nossa raiva, insatisfação e frustração.

O problema é que essas respostas nem sempre são os verdadeiros motivos que levaram a nossa parceria a ter uma determinada atitude ou a falar uma coisa. Sim, tem situações que são muito óbvias e nem tudo é “paranoia” da nossa cabeça, mas há muitas outras em que, devido aos sentimentos ruins que temos no momento, acabamos encontrando respostas que só alimentem essas emoções e não necessariamente são reais.

Se você não entendeu uma situação que te chateou e magoou, não tente criar respostas e justificativas pra ela. No momento da conversa, faça perguntas pra sua parceria que possam ajudar a esclarecer o problema, sem acusações.

4. Exercite a empatia

A empatia é uma ferramenta essencial em todo o tipo de relacionamento e ainda mais importante nos momentos de diálogo do casal. Ela consiste na capacidade de se colocar no lugar do outro, ou seja, imaginar racionalmente como a outra pessoa viveu aquela experiência: quais sentimentos e emoções ela pode ter tido, pensamentos, visão, como ela pode ter recebido e lidado com aquilo.

Essa é uma ferramenta essencial pra entender por que algo chateou sua parceria, mesmo quando parece ser uma coisa “boba” ou pequena pra você. Isso porque, independentemente do tempo em que vocês estão juntos, cada pessoa é única e tem vivências singulares, assim, cada pessoa lida com as situações de uma forma também única. No relacionamento, se a gente ficar olhando pras situações e problemas só com a nossa visão, vamos esperar que a outra pessoa seja igualzinha a nós e aí sim a frustração é certeira.

5. Crie momentos para conversar

Que tal separar um espaço na rotina da semana só pra vocês conversarem sobre a relação. A ideia é que vocês consigam focar um no outro e no relacionamento de vocês pra que não deixem de falar sobre os pontos que precisam de melhoria ou, quem sabe, fortalecer ainda mais o vínculo que existe entre vocês.

E essa não precisa ser uma reunião de negócios super séria, tá? A ideia é que vocês encontrem um espaço e um momento em que se sintam confortáveis e conectados pra bater um papo sincero e respeitoso. Ah e nada de mandar aquele “precisamos conversar” por mensagem, deixa isso pra situações mais específicas ou urgentes. Combinem o melhor momento pra ter esse papo antes, assim, vocês podem se preparar e praticar as outras dicas antes.

6. Não converse só quando há problemas

Lembra que eu falei que o diálogo não deve acontecer só nos momentos ruins? Seja pra falar o quanto vocês se amam, pra decidir o sabor da pizza ou pra falar sobre uma situação mal resolvida, uma conversa é sempre uma boa pedida. Então, não guarde ela só pros problemas. Se vocês assistirem a um filme que mostrou um programa legal de casal, vocês podem conversar sobre as coisas que querem fazer juntos e planejar um novo evento especial pra vocês, o que acha?

O sexo é outro tema e momento que pode combinar com um bom papo. Vocês podem fazer perguntas picantes pra conhecer mais os desejos e fantasias da parceria, ou falar sobre como foi a transa depois que ela acabar, geralmente é um ótimo momento pra ter esse tipo de conversa.

Como se comunicar melhor no relacionamento?

A psicóloga Marcela Estrela deixou super claro no nosso papo:

Comunicação é treino, então busque treinar e aprimorar essa habilidade.

Ela elencou algumas coisas essenciais que precisamos praticar e treinar pra que a comunicação fique melhor entre o casal – e que você pode levar pra todos os seus relacionamentos. Olha só as indicações da especialista:

  • Precisamos aprender a ouvir e não apenas falar;
  • Buscar ter empatia, escolhendo bem as palavras;
  • Evite ataques e a busca por culpados;
  • Expresse mais o que sente, o que percebe e o que espera do outro;
  • Seja específico e claro em seus pedidos;
  • Sempre busque por feedbacks da parceria a respeito da comunicação e das suas falas.

Como relembrou Marcela, um bom diálogo vai depender de todas as partes envolvidas. De quebra, a psicóloga ainda sugeriu a leitura dos livros “Comunicação não violenta”, de Marshall Rosenberg, e “Conversas corajosas”, de Elisama Santos: “eles trazem bons modelos de comunicação e passo a passo para aplicar no dia a dia”.

E aí, estão prontos pra melhorar o diálogo no relacionamento de vocês? Espero que essas dicas e o bate-papo com a psicóloga tenham te ajudado a olhar com novos olhos pra comunicação dentro da sua relação. Se você gosta de assuntos sobre relacionamento, confira agora estas dicas para a vida a dois!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

usamos cookies melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.